O JornalDentistry em 2022-9-05

NOTÍCIAS

Quais são as implicações do surto de varíola dos macacos para o exercício da medicina dentária?

Os médicos dentistas podem ser os primeiros a reconhecer um paciente com varíola dos macacos, já que as úlceras orais são a principal manifestação em mais de 25% dos casos.

Além disso, como sempre, os médicos dentistas devem implementar medidas rigorosas de controlo padrão de infeções para evitar a propagação viral através do contacto e da transmissão de aerossóis.

No final de julho, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o surto de varíola do macacos (MPX) como uma emergência de saúde pública de interesse internacional. Um artigo recente no International Dental Journal (IDJ) explora, portanto, as implicações deste surto específico para a prática da medicina dentária.

Entrevista doo Editor Chefe do  IDJ ao Prof. Lakshman Samaranayake.

— Pode, por favor, elaborar como a varíola do macacos (MPX) pode afetar os profissionais de saúde oral no seu exercício?

—Prof. Lakshman Samaranayake. -  O principal modo de propagação de MPX na medicina dentária é através do contacto direto ou indireto com fluidos corporais, ou material de lesões orais ou pústulas cutâneas; a transmissão aerossol também é uma possibilidade. No entanto, a transmissão de MPX na clínica dentária é improvável se as precauções padrão de prevenção e controlo de infeções forem rigorosamente seguidas. Estas últimas incluem o uso de máscaras N95, vestuário resistente a fluidos e proteção ocular. Além disso, todo o pessoal dentário deve permanecer vigilante e estar preparado para gerir pacientes que possam apresentar conscientemente ou involuntariamente sintomas orofacial ou outros  de MPX. Um bom plano estratégico sobre a melhor forma de gerir estes doentes incluiria medidas para isolar e tratar o paciente numa área clínica confinada, a eliminação adequada do material de contacto do paciente, o tratamento eletivo, se possível, e a subsequente tele-consulta e, por último, o conhecimento das rotas/clínicas de encaminhamento na área para a gestão médica dos doentes com MPX.

 

— Acredita que existe informação suficiente para os profissionais de saúde oral identificarem e reportarem esta doença?

—Prof. Lakshman Samaranayake. - Sim, penso que sim. As diretrizes do Centers for Diseases Control and Prevention (CDC) nos EUA, bem como as precauções de prevenção e controlo de infeções recomendadas no Manual Nacional integrado de Classificação da Fase de Segurança Alimentar (IPC) de Inglaterra, são excelentes, documentos de recursos livremente disponíveis para todo o pessoal de medicina dentária. 

— Que medidas podem os médicos dentistas e as suas equipas tomar para diminuir o risco de infeção?

—Prof. Lakshman Samaranayake - .Como mencionado acima, todos os médicos dentistas particularmente em áreas prevalentes ou endémicas da doença devem educar a equipa dentária sobre as características clínicas do MPX, e como pode se espalhar na clínica. Em especial, o controlo padrão da infeção, incluindo precauções de gotícula, deve ser sempre implementado e estritamente respeitado.

É também essencial ter um plano estratégico para a gestão de doentes com MPX que se possam apresentar na clínica com sintomas orofacial ou outros  da doença. Por exemplo, toda a equipa dentária deve saber gerir esses pacientes durante a apresentação, tais como os mantendo-los numa área fechada até ao tratamento, e tratá-los numa área clínica restrita, se possível, e adiar o tratamento não urgente até que os sintomas de MPX diminuam juntamente com consultas de teledentistry pós-visita.

— Como podem os profissionais de saúde oral ajudar a identificar a varíola em pacientes precocemente, especialmente em países com a doença endémica?

—Prof. Lakshman Samaranayake. - O contexto dentário é a apresentação primária da MPX e é provável que esteja na mucosa oral como maculas cor-de-rosa ou pápulas. Em alguns estudos as úlceras orais são registadas em quase um quarto dos pacientes com MPX, . No entanto, as pápulas (ou mesmo as vesículas) são raramente vistas intraoralmente, pois rebentam imediatamente devido aos movimentos da língua e à mastigação, com uma formação de lesão vermelha de crateras residuais. Devido a estas razões, o médico dentista pode ser o primeiro a notar as erupções durante o exame de rotina da mucosa oral, especialmente porque o paciente, pode desconhecer a sua existência, uma vez que as lesões não são dolorosas na fase inicial da maculopapular. Por conseguinte, os médicos dentistas devem manter um elevado grau de vigilância quando examinam os doentes, nomeadamente em áreas endémicas da doença. Por último, a boa notícia é que o surto atual pode estar a planar na maior parte dos países ocidentais e a doença pode diminuir gradualmente com a humidade do tempo.

 

Fonte: FDI - World Dental Federation

 

Recomendado pelos leitores

Remédios naturais para  boca seca (Xerostomia)
NOTÍCIAS

Remédios naturais para boca seca (Xerostomia)

LER MAIS

Estudo da Lancet sugere que os Sintomas de COVID Longo afetam uma em cada oito pessoas,
NOTÍCIAS

Estudo da Lancet sugere que os Sintomas de COVID Longo afetam uma em cada oito pessoas,

LER MAIS

A CleanImplant Foundation presente no Congresso EAO em Genebra
NOTÍCIAS

A CleanImplant Foundation presente no Congresso EAO em Genebra

LER MAIS

Translate:

OJD 98 SETEMBRO 2022

OJD 98 SETEMBRO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.