JornalDentistry em 2024-6-05

ARTIGOS

As bactérias orais são importantes para a saúde – quatro doenças ligadas ao microbioma oral

A boca é um dos habitats mais diversos do corpo humano. Contém mais de 700 espécies conhecidas de bactérias, bem como leveduras, vírus e alguns protozoários.

Esta comunidade é coletivamente chamada de microbioma oral – e, assim como o microbioma intestinal, as bactérias da boca desempenham um papel importante na sua saúde.
Algumas das doenças mais comuns causadas por alterações no microbioma oral são cáries e as doenças gengivais. Mas evidências crescentes sugerem que o microbioma oral também está ligado a muitas outras condições graves de saúde que ocorrem em outras partes do corpo.

 

Doenças respiratórias
Como o trato respiratório começa na boca e termina nos pulmões, talvez não seja surpreendente que um crescimento excessivo do microbioma oral possa resultar na inalação desses micróbios para os pulmões.
Isto pode geralmente levar a infecções como a pneumonia, uma doença frequentemente fatal nos idosos que tem sido associada à má higiene oral, levando a um crescimento excessivo de bactérias orais, como Streptococcus pneumoniae e Haemophilus influenzae.
A investigação demonstrou mesmo que a introdução de práticas regulares de higiene oral e de limpeza dentária profissional em lares de idosos pode reduzir o número de casos de pneumonia num terço. Manter dentaduras e protetores orais limpos também é importante.
A má saúde oral também tem sido associada à doença pulmonar obstrutiva crónica e a uma pior função respiratória, e isto está ligado a alterações no microbioma oral.

 

Doença cardíaca
Uma das doenças mais comuns do microbioma oral é a doença gengival crônica. Esta é uma resposta inflamatória destrutiva que destrói os ossos e os tecidos que sustentam os dentes, resultando eventualmente na perda dentária. Esta doença é causada por um crescimento excessivo de bactérias que se desenvolvem na fenda entre as gengivas e os dentes devido à má higiene oral.
Mas o que intriga os pesquisadores há anos são as fortes associações entre doenças gengivais e doenças cardiovasculares.
A ligação pode ser devido a fatores de risco comuns. Por exemplo, doenças gengivais e cardíacas são mais comuns em fumadores.
Outros teorizaram que as bactérias da doença gengival podem viajar para o coração e causar infecção. Nenhuma evidência convincente para esta ligação foi ainda apresentada.
A doença gengival também desencadeia uma forte resposta imunológica inflamatória. A inflamação é a forma como o corpo combate as infecções. Isso resulta na produção de células imunológicas e sinais químicos que combatem infecções. Mas muita inflamação pode ser prejudicial. Alguns pesquisadores acreditam que a inflamação causada por doenças gengivais pode danificar o sistema cardiovascular.
Um estudo mostrou que o tratamento de doenças gengivais reduziu os níveis de inflamação na corrente sanguínea e melhorou significativamente a função arterial. Outros estudos também mostraram que o tratamento de doenças gengivais reduz os níveis gerais de inflamação no corpo.
Esses estudos demonstram como uma doença na boca pode ter efeitos significativos na função dos tecidos em outras partes do corpo. E considerando que muitas pessoas vivem com doenças gengivais não tratadas durante décadas, o potencial para impactos na saúde a longo prazo é significativo.
 

Cancro de colo
Sabe-se que bactérias orais viajam através do estômago e chegam aos intestinos. Geralmente, os nossos micróbios orais não estão bem adaptados a este novo ambiente e normalmente morrem. Mas em 2014, dois estudos mostraram que os cancros do intestino eram fortemente colonizados por uma espécie de bactéria chamada Fusobacterium, normalmente encontrada na placa dentária.
Ambos os estudos também mostraram que o Fusobacterium tem uma alta afinidade por células cancerígenas malignas. Isso ocorre porque a superfície das células cancerígenas permite que a bactéria se ligue firmemente e invada o tumor. Vários estudos confirmaram agora que Fusobacterium pode colonizar tumores em todo o trato gastrointestinal.
A investigação também demonstrou que os pacientes com cancro do cólon fortemente colonizados por Fusobacterium respondem pior à quimioterapia e têm uma esperança de vida mais curta em comparação com aqueles que não estão colonizados. Isto pode ocorrer porque os tumores infectados com Fusobacterium são mais agressivos e, portanto, mais propensos a se espalharem em comparação com aqueles que não estão infectados com a bactéria.
Estão em curso investigações sobre esta relação – e se as pessoas em risco de cancro do intestino podem ser vacinadas contra esta doença oral.

 

Doença de Alzheimer
Uma das ligações mais controversas entre saúde oral e doenças envolve a doença de Alzheimer.
A doença gengival crónica tem sido associada a um maior declínio cognitivo em pessoas com doença de Alzheimer. Mas como tanto a doença gengival como a doença de Alzheimer estão associadas ao envelhecimento, é difícil determinar se existe uma relação clara de causa e efeito.
Mas em 2019, investigadores apresentaram evidências de que os cérebros de pessoas com doença de Alzheimer foram colonizados com P gingivalis – uma das principais bactérias causadoras de doenças gengivais. A ideia de que o cérebro, uma parte normalmente estéril do corpo, possa ser infectado por bactérias orais ainda é altamente controversa e requer mais estudos.
Tal como acontece com as doenças cardíacas, também foi proposto que a inflamação causada pelas doenças gengivais é uma causa da doença de Alzheimer em pacientes com problemas de saúde oral.

 

Boa saúde oral
Embora o impacto da má saúde oral pareça esmagador, a boa notícia é que temos o poder de gerir o nosso microbioma oral e prevenir doenças relacionadas com ele.
Um bom regime de higiene oral é essencial. Isso inclui escovar os dentes duas vezes ao dia e usar fio dental regularmente para controlar a placa bacteriana e reduzir a incidência de cáries e doenças gengivais. Parar de fumar pode reduzir muito as chances de desenvolver doenças gengivais. Também vale a pena visitar o seu médico dentista ou higienista a cada seis meses para uma limpeza profissional e conselhos de higiene oral pessoal.

 

Fote:MedicalXpress

Foto:
Unsplash/CCO Public Domain

Recomendado pelos leitores

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional
ARTIGOS

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional

LER MAIS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral
ARTIGOS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral

LER MAIS

Pacientes com cancro de cabeça e pescoço, podem aplicar implantes dentários antes da radioterapia?
ARTIGOS

Pacientes com cancro de cabeça e pescoço, podem aplicar implantes dentários antes da radioterapia?

LER MAIS

Translate:

OJD 117 MAIO 2024

OJD 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.