O JornalDentistry em 2019-6-27

ARTIGOS

Associação Britânica de Cirurgiões Orais e Maxilofaciais elogia o estudo da vacinação contra o VPH

A Associação Britânica de Cirurgiões Orais e Maxilofaciais (BAOMS) ficou agradada com as novas descobertas do estudo de dois anos do Cancer Research da Escócia sobre a vacinação contra o VPH para rapazes que pode reduzir substancialmente os cancros de cabeça e pescoço.

A BAOMS esteve envolvido no lobby que teve  sucesso para a extensão da vacina contra  o VPH (Vírus do Papiloma Humana) para rapazes no ano passado na Inglaterra e Irlanda do Norte.

Os cancros relacionados ao VPH com risco de vida podem  desenvolver-se durante a meia-idade, mas os rapazes foram excluídos do programa nacional de vacinação contra o VPH. Actualmente, o custo do tratamento do cancro da boca e da garganta causado pelo HPV para o NHS é de aproximadamente 30 milhões de libras por ano.

Desde que o esquema de imunização do Reino Unido para raparigas de 12 e 13 anos foi introduzido em 2008, os dados mostram uma redução de até 90% das células pré-cancerígenas nos testes de esfregaço entre mulheres com 20 anos de idade.

O segundo o presidente do BAOMS, Patrick Magennis, entre 2010 e 2012, cerca de 2.000 homens tiveram cancro de cabeça e pescoço relacionado ao VPH.

Mais da metade desses cancros orofaríngicos  são causados ​​pelo VPH e, na última década, a incidência desses cancros duplicou na população do Reino Unido.

A evidência atual sugere que a vacinação de rapazes na adolescência irá impedi-los de desenvolver cancros relacionados ao VPH na meia-idade, sendo sido a introdução da vacinação masculina oportuna.

A BAOMS saudou a publicação do novo estudo, que descobriu que, em dois anos, nos 235 pacientes masculinos da Escócia com cancro de cabeça e pescoço, o VPH estava presente em 60% dos casos. As descobertas seguem um relatório anterior, que sugeriu que a vacinação de rotina de estudantes na Escócia contra o VPH levou a uma redução dramática na doença cervical mais tarde na vida.

A cirurgias do cancro oral e a maxilofacial incluem a remoção do cancro da boca, mandíbula e língua e a substituição das partes ausentes por carne e osso retiradas da perna, anca ou braço. O tratamento eficaz e oportuno do cancro orofaríngico VPH-positivo tem excelentes resultados de sobrevida. Mas os pacientes frequentemente apresentam efeitos colaterais sérios e debilitantes ao longo da vida, decorrentes do tratamento que tem um impacto profundo na qualidade de vida dos sobreviventes do cancro.

Fonte: Oral Cancer Foundation / www.nationalhealthexecutive.com

Recomendado pelos leitores

Como as bactérias orais comuns tornam o cancro do cólon mais mortal
ARTIGOS

Como as bactérias orais comuns tornam o cancro do cólon mais mortal

LER MAIS

Especialistas da FDI publicam orientação sobre administração de antibióticos em Medicina Dentária
ARTIGOS

Especialistas da FDI publicam orientação sobre administração de antibióticos em Medicina Dentária

LER MAIS

Estudo conclui que uma higiene oral eficaz pode ajudar  a evitar disfunção erétil
ARTIGOS

Estudo conclui que uma higiene oral eficaz pode ajudar a evitar disfunção erétil

LER MAIS

Translate:

OJD 64 JULHO 2019

OJD 64 JULHO 2019

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.