JornalDentistry em 2024-7-06

ARTIGOS

Aumento da incidência do cancro oral

Com o aumento do cancro oral, os médicos dentistas podem desempenhar um papel importante no controlo do aumento da incidência.

Os profissionais de medicina dentária de hoje em dia veem e lidam rotineiramente com muitos problemas e condições que não eram tão comuns há apenas algumas décadas.

Por exemplo, tem-se registado um aumento acentuado da incidência do cancro oral nos Estados Unidos, despertando a necessidade de rastreios regulares do cancro oral como parte de um exame dentário preventivo. Esta triagem adicional é agora realizada rotineiramente em muitos consultórios dentários em todo o país.
A American Cancer Society estima que cerca de 50.000 americanos são infetados com cancro oral a cada ano. Nas gerações anteriores, o cancro oral estava sobretudo ligado ao tabagismo, ao consumo de álcool ou a uma combinação dos dois. Mas mesmo com a queda das taxas de tabagismo, as taxas de cancro oral aumentaram (especialmente nos homens), e os investigadores concluíram que este é provavelmente causado pelo papilomavírus humano (HPV), uma doença sexualmente transmissível.
O diagnóstico precoce faz a diferença O cancro oral geralmente só é descoberto quando o cancro sofre metástase para outro local, mais comummente para os gânglios linfáticos do pescoço. O prognóstico nesta fase da descoberta é significativamente pior do que quando é detetado numa área intraoral localizada.
De acordo com a Oral Cancer Foundation, a melhor forma de rastrear o cancro da boca e orofaringe relacionado com o HPV é através de um exame visual e tátil realizado por um profissional médico ou médico dentista, que também realizará uma anamnese oral para pesquisar sobre sinais e sintomas  que não são visíveis.

A ADA (American Dental Association) apoia a medicina dentária neste desafio crescente, potencialmente malignos na Cavidade Oral.”
O objetivo desta orientação é informar os médicos dentistas,  e outros profissionais de medicina dentária sobre as ferramentas de rastreio para a avaliação de lesões, incluindo distúrbios potencialmente malignos, na cavidade oral.

A ADA oferece as seguintes considerações sobre o diagnóstico de cancro da boca e orofaringe:
— Os médicos dentistas devem obter um historial médico, social e dentário atualizado, bem como realizar um exame visual e tátil convencional intraoral e extraoral em todos os pacientes adultos.

— Para os doentes com lesões suspeitas, os médicos dentistas devem realizar imediatamente uma biópsia da lesão ou encaminhar o doente para um especialista.

— As ferramentas salivares e baseadas na luz não são recomendadas para a avaliação de lesões malignas.


Fonte: Oral Cancer Foundation
Foto: Unsplash/CCO Public Domain

 

Recomendado pelos leitores

Interação entre duas bactérias orais comuns cria composto químico responsável pelo mau hálito
ARTIGOS

Interação entre duas bactérias orais comuns cria composto químico responsável pelo mau hálito

LER MAIS

Investigação  verifica que bactérias orais aceleram o desenvolvimento de cancro do pâncreas em ratos
ARTIGOS

Investigação verifica que bactérias orais aceleram o desenvolvimento de cancro do pâncreas em ratos

LER MAIS

Seguros de Responsabilidade Civil Profissional para Médicos Dentistas em Portugal: Proteção da Prática Profissional
ARTIGOS

Seguros de Responsabilidade Civil Profissional para Médicos Dentistas em Portugal: Proteção da Prática Profissional

LER MAIS

Translate:

OJD 119 JULHO 2024

OJD 119 JULHO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.