O JornalDentistry em 2019-5-11

ARTIGOS

Bactérias da gengiva implicadas na doença de Alzheimer e noutras doenças

Pesquisadores estão relatam novas descobertas sobre como as bactérias envolvidas na doença da gengiva podem viajar por todo o corpo, exsudando toxinas relacionadas à doença de Alzheimer, artrite reumatoide e pneumonia por aspiração.

A bactéria Porphyromonas gingivalis é o mau ator envolvido na periodontite, a forma mais grave de doença gengival.

 

Detetaram evidências das bactérias em amostras de cérebro de pessoas com Alzheimer e usaram ratos para mostrar que a bactéria pode encontrar um caminho da boca até o cérebro. 

A bactéria Porphyromonas gingivalis é o mau ator envolvido na periodontite, a forma mais grave de doença gengival. Estas descobertas realçam a importância de uma boa higiene oral, já que os cientistas procuram maneiras de controlar melhor essa infeção bacteriana comum. 

"A higiene oral é muito importante durante toda a nossa vida, não só para se ter um sorriso bonito, mas também diminuir o risco de muitas doenças graves", disse Jan Potempa, PhD, professor da University of Louisville School of Dentistry e chefe do departamento de microbiologia da Jagiellonian University em Krakow, Polónia. "Pessoas com fatores de risco genéticos que as tornam suscetíveis à artrite reumatoide ou à doença de Alzheimer devem estar extremamente preocupadas com a prevenção da doença gengival". 

Enquanto pesquisas observaram a presença de P. gingivalis em amostras de cérebro de pacientes com Alzheimer, a equipe de Potempa, em colaboração com Cortexyme, Inc., demonstram a evidência de que a bactéria pode realmente contribuir para o desenvolvimento da doença de Alzheimer. 

Potempa apresentou a pesquisa na American Association of Anatomists annual meeting, 2019 Experimental Biology meeting, realizado de 6 a 9 de abril em Orlando, Florida, USA. 

Os pesquisadores compararam amostras de cérebros de pessoas mortas com e sem a doença de Alzheimer, que eram aproximadamente da mesma idade quando morreram. Descobriram que P. gingivalis era mais comum em amostras de pacientes com Alzheimer, evidenciada pela impressão digital do DNA da bactéria e pela presença das suas principais toxinas. 

Em estudos usando ratos, eles mostraram que P. gingivalis pode mover-se da boca para o cérebro e que essa migração pode ser bloqueada por substâncias químicas que interagem com as gengivas. Uma droga experimental que bloqueia as gengivas, conhecida como COR388, está atualmente em fase 1 de ensaios clínicos para a doença de Alzheimer. 

Potempa apresentou a pesquisa na American Association of Anatomists annual meeting, 2019 Experimental Biology meeting, realizado de 6 a 9 de abril em Orlando, Florida, USA. 

Os pesquisadores compararam amostras de cérebros de pessoas mortas com e sem a doença de Alzheimer, que eram aproximadamente da mesma idade quando morreram. Descobriram que P. gingivalis era mais comum em amostras de pacientes com Alzheimer, evidenciada pela impressão digital do DNA da bactéria e pela presença das suas principais toxinas. 

Em estudos usando ratos, eles mostraram que P. gingivalis pode mover-se da boca para o cérebro e que essa migração pode ser bloqueada por substâncias químicas que interagem com as gengivas. Uma droga experimental que bloqueia as gengivas, conhecida como COR388, está atualmente em fase 1 de ensaios clínicos para a doença de Alzheimer. 

A Cortexyme, Inc. e a equipe de Potempa estão a trabalhar noutros compostos que bloqueiam enzimas importantes para a P. gingivalis e outras bactérias da gengiva, na esperança de interromper o seu papel no avanço da doença de Alzheimer e outras doenças. 

Os pesquisadores também relatam evidências sobre o papel da bactéria na artrite reumatoide, assim como pneumonia por aspiração, uma infeção pulmonar causada pela inalação de comida ou saliva. 

"As principais toxinas da P. gingivalis, as enzimas que a bactéria precisa para exercer suas tarefas diabólicas, são bons alvos para possíveis novas intervenções médicas para combater uma variedade de doenças", comentou Potempa. "A beleza de tais abordagens em comparação com antibióticos é que tais intervenções são destinadas apenas a agentes patogénicos chave, deixando as bactérias boas, que precisamos." 

P. gingivalis geralmente começa a se infiltrar nas gengivas durante a adolescência. Cerca de uma em cada cinco pessoas com menos de 30 anos tem níveis baixos da bactéria nas gengivas. Embora não seja prejudicial na maioria das pessoas, se crescer em grande número, as bactérias provoca o sistema imunológico do organismo para criar inflamação, levando à vermelhidão, inchaço, sangramento e erosão do tecido da gengiva. 

Para piorar, a P. gingivalis até faz com que bactérias benignas na boca alterem suas atividades e aumentem ainda mais a resposta imunológica. As bactérias podem viajar da boca para a corrente sanguínea através do simples ato de mastigar ou escovar os dentes. 

A melhor maneira de evitar que P. gingivalis cresça fora de controle é escovar e usar o fio dental regularmente e visitar um higienista dental pelo menos uma vez por ano, Fumadores e idosos estão em maior risco de infeção. Os fatores genéticos também desempenham um papel, mas ainda não são bem compreendidos.

Fonte: ScienceDaily/Experimental Biology

Artigo original SD: "Gum bacteria implicated in Alzheimer's and other diseases"

 

Recomendado pelos leitores

A constituição genética tem pouco impacto na saúde oral
ARTIGOS

A constituição genética tem pouco impacto na saúde oral

LER MAIS

Twitter dá uma visão sobre o conhecimento do cancro oral associado ao VPH
ARTIGOS

Twitter dá uma visão sobre o conhecimento do cancro oral associado ao VPH

LER MAIS

Edição de proteínas de superfície em bactérias
ARTIGOS

Edição de proteínas de superfície em bactérias

LER MAIS

Translate:

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.