O JornalDentistry em 2019-3-31

ARTIGOS

Bactérias orais no pâncreas associadas a tumores mais agressivos

A presença de bactérias orais nos chamados tumores pancreáticos císticos está associada à gravidade do tumor, segundo um estudo realizado por pesquisadores do Karolinska Institutet na Suécia e publicado na revista Gut.

Espera-se que os resultados possam ajudar a melhorar o diagnóstico e o tratamento do cancro do pâncreas.

O cancro do pâncreas é um dos cancros mais letais. A doença é frequentemente descoberta tardiamente, o que significa que na maioria dos casos o prognóstico é mau. Mas nem todos os tumores pancreáticos são cancerígenos. Por exemplo, existem os chamados tumores pancreáticos císticos (quistos pancreáticos), muitos dos quais são benignos. Alguns podem, no entanto, tornar-se cancerígenos.

Atualmente, é difícil diferenciar entre esses tumores. Para remover o cancro, muitos pacientes, passam por uma cirurgia, o que sobrecarrega tanto o paciente quanto os serviços de saúde. Os pesquisadores do Karolinska Institutet descobriram que a presença de bactérias dentro dos tumores císticos está ligada à gravidade do tumor.

Segundo o autor correspondente Margaret Sällberg Chen, docente sénior do Departamento de Medicina Dentária, Karolinska Institutet, encontraram a maioria das bactérias na fase em que os quistos estão a começar a mostrar sinais de cancro”,  "O que esperamos é que isso possa ser usado como um biomarcador para a identificação precoce dos quistos cancerígenos que precisam ser removidos cirurgicamente para curar o cancro, o que também reduzirá a quantidade de cirurgias desnecessárias de tumores benignos. Mas primeiro, estudos serão necessários para corroborar nossas descobertas”.

Os pesquisadores examinaram a presença de DNA bacteriano no fluido de quistos pancreáticos em 105 pacientes e compararam o tipo e a gravidade dos tumores. Ao fazer isso, descobriram que o fluido dos quistos com displasia de alto grau e o cancro continha muito mais DNA bacteriano do que o dos quistos benignos.

Para identificar as bactérias, os pesquisadores sequenciaram o DNA de 35 das amostras que tinham altas quantidades de DNA bacteriano. Eles encontraram grandes variações na composição bacteriana entre diferentes indivíduos, mas também uma maior presença de certas bactérias orais em fluidos e tecidos dos quistos com displasia de alto grau e cancro.

"Ficamos surpresos ao encontrar bactérias orais no pâncreas, mas não foi totalmente inesperado", diz o Dr. Sällberg Chen. "As bactérias que identificamos já foram mostradas num estudo anterior, menor, como sendo mais elevado na saliva de pacientes com cancro pancreático." 

Os resultados podem ajudar a reavaliar o papel das bactérias no desenvolvimento de quistos pancreáticos. Se estudos adicionais mostrarem que a bactéria realmente afeta o processo patológico, pode levar a novas estratégias terapêuticas usando agentes antibacterianos. 

Os pesquisadores também estudaram diferentes fatores que poderiam afetar a quantidade de DNA bacteriano no fluido tumoral. Descobriram que a presença de DNA bacteriano foi maior em pacientes submetidos à endoscopia invasiva do pâncreas, um procedimento que envolve a inserção de um tubo flexível na boca para examinar e tratar condições pancreáticas e, assim, a possível transferência de bactérias orais para o pâncreas. 

"Os resultados não foram completamente conclusivos, a endoscopia pode não ser a resposta completa para o porquê das bactérias estarem lá", continua ela. "Mas talvez possamos reduzir o risco de transferir bactérias orais para o pâncreas lavando a boca com um agente antibacteriano e garantindo uma boa higiene oral antes do exame. Esse seria um estudo clínico interessante." 

O estudo foi conduzido em colaboração com pesquisadores do Departamento de Ciências Clínicas, Intervenção e Tecnologia, o Departamento de Medicina Laboratorial do Instituto Karolinska e o Laboratório Ciência para a Vida. Foi financiado pela Sociedade Sueca do Cancro, Conselho do Condado de Estocolmo (financiamento da ALF), Styrgruppen KI / SLL para Odontologisk Forskning (grupo de orientação KI / SLL para pesquisa odontológica, SOF), KI KID-funding e Fundação Ruth e Richard Julin.

 

Fonte: ScienceDaily/Karolinska Institutet

Artigo original ScienceDaily  “Oral bacteria in pancreas linked to more aggressive tumors”

 

Recomendado pelos leitores

Uso do fio dental e ir ao médico dentista associado a um menor risco de cancro oral
ARTIGOS

Uso do fio dental e ir ao médico dentista associado a um menor risco de cancro oral

LER MAIS

Nova técnica poderá vir a ajudar a regenerar os tecidos destruídos por doença periodontal
ARTIGOS

Nova técnica poderá vir a ajudar a regenerar os tecidos destruídos por doença periodontal

LER MAIS

Como o álcool se compara ao tabaco em termos de risco de cancro?
ARTIGOS

Como o álcool se compara ao tabaco em termos de risco de cancro?

LER MAIS

Translate:

OJD 61 ABRIL 2019

OJD 61 ABRIL 2019

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.