JornalDetistry em 2023-7-29

ARTIGOS

Bactérias orais podem ser uma causa da doença de Crohn

A doença de Crohn afeta quatro milhões de pessoas em todo o mundo. A condição causa sintomas debilitantes como fadiga crônica, diarreia, dor abdominal, perda de peso e desnutrição.

Uma vez que os sintomas se desenvolvem, Crohn é uma condição vitalícia - e embora existam maneiras de controlar os sintomas durante as crises, atualmente não há cura.

 

As causas exatas da doença de Crohn são desconhecidas e provavelmente se devem a uma série de fatores complexos e sobrepostos – como genética, pistas ambientais (como fumar) e um sistema imunológico hiperativo no intestino. A pesquisa também mostrou que o microbioma intestinal desempenha um papel crucial na doença.

O microbioma intestinal é uma coleção de trilhões de bactérias, vírus e fungos. Estes micróbios estão presentes desde o nascimento e desempenham um papel crucial na garantia de que as células intestinais e os nossos intestinos funcionam como deveriam. As bactérias no nosso intestino também ajudam as nossas células imunitárias a funcionar como deveriam, garantindo, em última análise, a sua eficácia.

Muitos estudos mostram que as pessoas com doença de Crohn têm uma comunidade menos diversificada de bactérias intestinais. Eles também têm níveis mais elevados de certos tipos de bactérias que podem desencadear inflamação intestinal.

Mas não são apenas as bactérias intestinais que mostram sinais de disfunção em pessoas com doença de Crohn. Inesperadamente, a pesquisa também mostra que as bactérias na boca também podem ser importantes nesta condição inflamatória.

 

Microbioma da boca

Quando estamos no útero, o nosso intestino é estéril. Mas nosso microbioma intestinal começa a se desenvolver no momento em que nascemos – primeiro depois de entrar em contato com bactérias vaginais durante o nascimento, depois de outras fontes maternas, como leite materno e pele, bem como nosso ambiente.

Quando somos adultos, nosso intestino se torna uma comunidade próspera de trilhões de bactérias que, segundo algumas estimativas, superam nossas células em 10:1.

A maioria das bactérias que chegam aos nossos intestinos teve que viajar através de nossas bocas primeiro. Como tal, a nossa boca contém o segundo maior número de bactérias depois do intestino. E engolimos esses milhões de bactérias diariamente na nossa saliva.

O microbioma oral é complexo. Cada parte da nossa boca – seja a língua, a bochecha ou a saliva – é composta por micróbios diferentes, dependendo de fatores como o nível de pH e os níveis de oxigénio. Estas comunidades de micróbios podem então formar estruturas complexas chamadas biofilmes, onde as bactérias se organizam nas superfícies da boca (a placa dentária é um exemplo). As bactérias interagem então entre si e com as nossas células imunitárias para criar um estado harmonioso de saúde.

Há algumas razões pelas quais os pesquisadores pensam que o microbioma oral pode desempenhar um papel na doença de Crohn.

Primeiro, estudos indicam que as pessoas com doença de Crohn têm bactérias diferentes na boca em comparação com aquelas sem a condição. Isto pode sugerir que certas espécies de bactérias presentes na boca podem desempenhar um papel na doença de Crohn.

Em segundo lugar, algumas espécies de bactérias comumente encontradas em maior abundância no intestino de pessoas com doença de Crohn em comparação com pessoas saudáveis também estão presentes na boca. Isto talvez não seja surpreendente, dado que a via de entrada de bactérias no intestino inferior é geralmente através da boca. Na verdade, não é incomum que pessoas com doença de Crohn desenvolvam úlceras na boca, ao lado daquelas comumente vistas no intestino.

Pesquisas em humanos também sugerem que uma bactéria oral em particular, chamada Veillonella parvula, é abundante no intestino de pessoas com doença de Crohn. Esta bactéria está associada a doenças como a periodontite e até a meningite. É tipicamente encontrado no microbioma oral, mas um estudo notável mostrou que desenvolveu uma maneira de viver no intestino inferior.

Se outros culpados bacterianos de Crohn encontrados no intestino também forem encontrados na boca, isso pode permitir que os pesquisadores desenvolvam testes melhores que só precisam de uma amostra de saliva para diagnosticar a doença. Isso seria muito mais fácil do que precisar que os pacientes fornecessem uma amostra de fezes ou tecido intestinal.

Os pesquisadores também precisarão investigar se o microbioma oral pode causar Crohn. Pesquisas em camundongos sugerem que a inflamação (que acontece quando o sistema imunológico é desencadeado por um patógeno) facilita o crescimento de certos tipos de bactérias – levando a uma inflamação ainda maior e a uma ativação excessiva das células imunológicas. Se o mesmo for verdade para as bactérias orais ligadas à doença de Crohn, isso pode sugerir que o supercrescimento bacteriano e inflamação na boca é uma possível causa raiz de Crohn.

 

Outras doenças

Crohn não é a única doença em que certas bactérias da boca estão implicadas.

Por exemplo, os pesquisadores mostraram que duas substâncias químicas tóxicas produzidas pela bactéria oral Porphyromonas gingivalis (que está envolvida na doença gengival) foram encontradas em mais de 96% dos participantes em regiões do cérebro associadas à memória. Significativamente, estes produtos químicos tóxicos alimentam-se de células humanas.

No cancro da mama, a bactéria oral Fusobacterium nucleatum tem sido associada ao crescimento acelerado do tumor e à disseminação de células cancerígenas. Muitos estudos também mostraram que a mesma bactéria é frequentemente encontrada em tecidos de câncer colorretal.

Além disso, há muito tempo existe a ideia de que as bactérias orais podem ter um impacto substancial nas doenças cardiovasculares, onde os micróbios podem vazar para a corrente sanguínea e se instalar nas placas cardíacas, levando à inflamação e, portanto, a uma maior probabilidade de rutura ou bloqueio dos vasos sanguíneos.

Embora o microbioma oral tenha sido associado ao desenvolvimento e progressão da doença de Crohn, a pesquisa não descobriu completamente a maneira exata pela qual as bactérias podem se mover da boca para partes do intestino. E embora haja muitos dados de estudos em ratos, mais pesquisas mostrando essa ligação em humanos são necessárias.

Compreender melhor como as bactérias orais estão envolvidas na doença de Crohn – e quais espécies podem estar implicadas – ajudará a desenvolver melhores diagnósticos e tratamentos, não apenas para a doença de Crohn, mas também para muitas outras condições.

 
Fonte: MedicalXpress

Recomendado pelos leitores

Novo método para testar o cancro oral
ARTIGOS

Novo método para testar o cancro oral

LER MAIS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca
ARTIGOS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca

LER MAIS

Os higienistas orais como peça fundamental na prevenção da saúde oral
ARTIGOS

Os higienistas orais como peça fundamental na prevenção da saúde oral

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.