JornalDentistry em 2023-8-21

ARTIGOS

Criados organoides derivados de células estaminais que segregam proteínas do esmalte dentário

Os organóides foram agora criados a partir de células estaminais para secretar as proteínas que formam o esmalte dentário, a substância que protege os dentes de danos e cáries. Uma equipa multidisciplinar de cientistas da Universidade de Washington, em Seattle, liderou este projeto.

Nesta imagem de laboratório de um dente incisivo em desenvolvimento, as cores identificam quais genes estão sendo expressos em cada estágio de desenvolvimento. Crédito: Grupo de Pesquisa de Organoides Dentários da Universidade de Washington

"Este é um primeiro passo crítico para nosso objetivo de longo prazo de desenvolver tratamentos baseados em células-tronco para reparar dentes danificados e regenerar aqueles que foram perdidos", disse Hai Zhang, professor de medicina dentária restauradora na  UW School of Dentistry e um dos coautores do artigo que descreve a pesquisa.
Os resultados foram publicados hoje na revista Developmental Cell.

Ammar Alghadeer, estudante de pós-graduação no laboratório de Hannele Ruohola-Baker no Departamento de Bioquímica da UW School of Medicine foi o autor principal do artigo. O laboratório é afiliado ao UW Medicine Institute for Stem Cell and Regenerative Medicine.
Os pesquisadores explicaram que o esmalte dentário protege os dentes das tensões mecânicas incorridas pela mastigação e os ajuda a resistir à cárie. É o tecido mais duro do corpo humano.
O esmalte é feito durante a formação dentária por células especializadas chamadas amelobasts. Quando a formação dentária é completa, estas células morrem. Consequentemente, o corpo não tem como reparar ou regenerar o esmalte danificado, e os dentes podem ficar propensos a fraturas ou sujeitos a perdas.
Para criar ameloblastos em laboratório, os pesquisadores primeiro tiveram que entender o programa genético que leva as células-tronco fetais a se desenvolverem nessas células produtoras de esmalte altamente especializadas.
Para fazer isso, eles usaram uma técnica chamada sequenciamento de RNA de indexação combinatória unicelular (sci-RNA-seq), que revela quais genes estão ativos em diferentes estágios do desenvolvimento de uma célula.
Isso é possível porque as moléculas de RNA, chamadas de RNA mensageiro (mRNA), transportam as instruções para proteínas codificadas no DNA de genes ativados para as máquinas moleculares que montam proteínas. É por isso que as mudanças nos níveis de mRNA em diferentes estágios do desenvolvimento de uma célula revelam quais genes são ligados e desligados em cada estágio.

Ao realizar sci-RNA-seq em células em diferentes estágios do desenvolvimento dentário humano, os pesquisadores foram capazes de obter uma série de instantâneos da ativação genética em cada estágio. Os pesquisadores usaram um programa de computador sofisticado, chamado Monocle, para construir a trajetória provável das atividades genicas que ocorrem à medida que células-tronco indiferenciadas se desenvolvem em ameloblastos totalmente diferenciados.

 

Fonte: MedicalXpress    /  University of Washington School of Medicine

 

 

 

Recomendado pelos leitores

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional
ARTIGOS

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional

LER MAIS

As bactérias orais são importantes para a  saúde – quatro doenças ligadas ao  microbioma oral
ARTIGOS

As bactérias orais são importantes para a saúde – quatro doenças ligadas ao microbioma oral

LER MAIS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral
ARTIGOS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral

LER MAIS

Translate:

OJD 117 MAIO 2024

OJD 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.