JornalDentistry em 2023-7-11

ARTIGOS

Cuidar bem dos dentes pode ser bom para o cérebro

Cuidar dos dentes pode estar ligado a melhor saúde do cérebro, de acordo com um novo estudo. O estudo descobriu que a doença gengival e a perda de dentes estavam ligadas ao encolhimento cerebral no hipocampo, que desempenha um papel na memória e na doença de Alzheimer.

O Estudo  demonstrou  que a doença gengival e a perda de dentes estavam ligadas ao encolhimento cerebral no hipocampo, que desempenha um papel na memória e na doença de Alzheimer. O estudo não prova que a doença gengival ou a perda de dentes provoque a doença de Alzheimer; apenas mostra uma associação.

"A perda de dentes e a doença gengival, que é a inflamação do tecido ao redor dos dentes que pode causar encolhimento das gengivas e afrouxamento dos dentes, avaliar uma ligação potencial com demência é incrivelmente importante", disse o autor do estudo, Satoshi Yamaguchi, PhD, DDS, da Universidade Tohoku em Sendai, Japão. "O nosso estudo descobriu que essas condições podem desempenhar um papel na saúde da área do cérebro que controla o pensamento e a memória, dando às pessoas outra razão para cuidar melhor de seus dentes."

O estudo envolveu 172 pessoas com uma idade média de 67 anos que não tinham problemas de memória no início do estudo.

Os participantes fizeram exames dentários e fizeram testes de memória no início do estudo. Eles também fizeram exames cerebrais para medir o volume do hipocampo no início do estudo e novamente quatro anos depois.

Para cada participante, os pesquisadores contaram o número de dentes e verificaram a doença gengival observando a profundidade da sondagem periodontal, uma medida do tecido gengival. As leituras saudáveis são de um a três milímetros.

A doença gengival leve envolve profundidades de sondagem de três ou quatro milímetros em várias áreas, enquanto a doença gengival grave envolve profundidades de sondagem de cinco ou seis milímetros em várias áreas, bem como mais perda óssea e pode fazer com que os dentes se soltem e, eventualmente, caiam.

Os pesquisadores descobriram que o número de dentes e o grau das doenças gengivais estavam ligados a alterações no hipocampo esquerdo do cérebro.

Para pessoas com doença gengival leve, ter menos dentes foi associado a uma taxa mais rápida de encolhimento cerebral no hipocampo esquerdo.

No entanto, para pessoas com doença gengival grave ter mais dentes foi associado a uma taxa mais rápida de encolhimento cerebral na mesma área do cérebro.

Depois de ajustar para a idade, os pesquisadores descobriram que, para pessoas com doença gengival leve, o aumento na taxa de encolhimento cerebral devido a um dente a menos foi equivalente a quase um ano de envelhecimento cerebral. Por outro lado, para pessoas com doença gengival grave, o aumento do encolhimento cerebral devido a mais um dente foi equivalente a 1,3 anos de envelhecimento cerebral.

"Esses resultados destacam a importância de preservar a saúde dos dentes e não apenas retê-los", disse Yamaguchi. "Os resultados sugerem que a retenção de dentes com doença gengival grave está associada à atrofia cerebral. Controlar a progressão da doença gengival através de visitas regulares ao dentista é crucial, e os dentes com doença gengival grave podem precisar de ser extraídos e substituídos por dispositivos protéticos adequados."

Yamaguchi disse que estudos futuros são necessários com grupos maiores de pessoas. Outra limitação do estudo é que ele foi realizado numa região do Japão, então os resultados podem não ser generalizáveis para outros locais.

 

O estudo foi apoiado pelo Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão; Universidade de Keio; Fundo de Prevenção da Arteriosclerose do Japão; Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar do Japão; Universidade de Teikyo; Pfizer Japão; Bayer Yakuhin; Chugai Farmacêutica; Daiichi Sankyo; Astellas Pharma; Takeda Farmacêutica; Instituto de Ciências da Saúde; Centro de Ciências da Saúde; e Takeda Science Foundation.

 

Recomendado pelos leitores

Interação entre duas bactérias orais comuns cria composto químico responsável pelo mau hálito
ARTIGOS

Interação entre duas bactérias orais comuns cria composto químico responsável pelo mau hálito

LER MAIS

Investigação  verifica que bactérias orais aceleram o desenvolvimento de cancro do pâncreas em ratos
ARTIGOS

Investigação verifica que bactérias orais aceleram o desenvolvimento de cancro do pâncreas em ratos

LER MAIS

Seguros de Responsabilidade Civil Profissional para Médicos Dentistas em Portugal: Proteção da Prática Profissional
ARTIGOS

Seguros de Responsabilidade Civil Profissional para Médicos Dentistas em Portugal: Proteção da Prática Profissional

LER MAIS

Translate:

OJD 119 JULHO 2024

OJD 119 JULHO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.