O JornalDentistry em 2019-6-23

ARTIGOS

Diabetes não detetados ligados a ataque cardíaco e doença gengival

Pessoas com distúrbios de glicose não detetados correm um risco maior de enfarto do miocárdio e periodontite, de acordo com um estudo. Os resultados demonstram a necessidade de uma maior colaboração entre a medicina dentária e a clínica geral e, possivelmente, haver triagem para diabetes em clínicas de medicina dentária.

Pessoas com distúrbios de glicose não detetados correm um risco maior de enfarto do miocárdio e periodontite, de acordo com um estudo publicado na revista Diabetes Care por pesquisadores do Karolinska Institutet na Suécia. Os resultados demonstram a necessidade de uma maior colaboração entre medicina dentária e a clínica geral, , e, possivelmente, fazer triagem para diabetes em clínicas medicina dentária. 
Sabe-se que a periodontite severa está associada a um risco maior de enfarto do miocárdio e menor tolerância à glicose, e a diabetes é mais comum em pessoas que sofreram um ataque cardíaco. 
Os pesquisadores por trás dessas descobertas anteriores estudaram agora se os distúrbios de glicose não detetados (disglicemia) - isto é, uma capacidade reduzida de metabolizar o açúcar - estão ligados a ambas as condições: enfarto do miocárdio e periodontite. Os resultados foram publicados na revista Diabetes Care.
O estudo foi uma colaboração entre cardiologistas e médicos dentistas do Karolinska Institutet e foi baseado em dados de um estudo anterior chamado PAROKRANK. Incluiu 805 pacientes com enfarto do miocárdio de 17 clínicas suecos de cardiologia e 805 controles, que foram organizados por idade, sexo e código postal. O estado periodontítico dos pacientes foi avaliado com radiografias e o estado disglicêmico com testes de carga de glicose. 
Os participantes com diagnóstico de diabetes foram excluídos do estudo, que deixou 712 pacientes e 731 controles com dados tanto do estado periodontítico quanto do status glicémico, o último dos quais foi dividido em três categorias: normal, redução da tolerância à glicose, diabetes recém-detetado. Comparações foram feitas após o ajuste para idade, sexo, hábitos tabágicos, educação e estado civil. 
O estudo mostra que distúrbios de glicose não detetados anteriormente, que incluem diabetes e intolerância à glicose, estavam ligados ao enfarto do miocárdio. Foi aproximadamente duas vezes mais comum em pacientes com enfarto do miocárdio ter disglicemia não detetada do que em controles saudáveis, confirmando as descobertas anteriores do grupo de pesquisa. O enfarto do miocárdio afeta aproximadamente 30.000 pessoas na Suécia anualmente. 
O diabetes não detetado também foi conetado à periodontite grave. Quando pacientes com enfarto do miocárdio e controles foram analisados separadamente, a associação foi mais clara nos pacientes do que nos controles, o que possivelmente é devido a muitos dos controles eram muito saudáveis e poucos tinham periodontite severa e diabetes não detetado. 
"As nossas descobertas indicam que a disglicemia é um fator de risco chave tanto na periodontite severa como no enfarto do miocárdio e que a combinação de periodontite severa e diabetes não detetado aumenta ainda mais o risco de enfarto do miocárdio", diz a principal autora do estudo, Anna Norhammar, do departamento de Medicina do Karolinska Institutet em Solna. 
Os resultados comprovam ligações previamente conhecidas entre periodontite e diabetes e mostram que tal associação também existe em diabetes não conhecidos. 
De acordo com os pesquisadores, os resultados devem levar os especialistas em diabetes a considerar a saúde oral de seus pacientes e a necessidade de uma colaboração mais próxima com os médicos dentistas.
"O estudo da PAROKRANK é um bom exemplo dessa colaboração", diz o autor sénior do estudo, Lars Rydén, professor do Departamento de Medicina do Karolinska Institutet em Solna e presidente do estudo PAROKRANK, iniciado academicamente.
"O nosso estudo mostra que distúrbios de glicose não detectados são comuns em duas doenças principais - enfarto do miocárdio e periodontite", diz o Dr. Norhammar. "Muitas pessoas visitam o médico dentista regularmente e talvez valha a pena considerar a realização de exames de rotina  à glicemia em pacientes com periodontite grave como complemento do tratamento desses pacientes".
Uma das limitações do estudo é que, apesar do grande número de participantes, o número de pacientes e controles com periodontite grave e diabetes não detectados foi baixo. As diferenças observadas nas ligações entre diabetes não detectado e periodontite grave em pacientes e controles podem, portanto, ser atribuídas ao baixo número de pacientes ou a diferenças genuínas na correlação.
O estudo foi financiado com doações da AFA Insurance, da Swedish Heart and Lung Foundation, do Swedish Research Council e da Region Stockholm (ALF funding).
 
 
Fonte: Karolinska Institutet - ScienceDaily
 
 

Recomendado pelos leitores

Como as bactérias orais comuns tornam o cancro do cólon mais mortal
ARTIGOS

Como as bactérias orais comuns tornam o cancro do cólon mais mortal

LER MAIS

Especialistas da FDI publicam orientação sobre administração de antibióticos em Medicina Dentária
ARTIGOS

Especialistas da FDI publicam orientação sobre administração de antibióticos em Medicina Dentária

LER MAIS

Estudo conclui que uma higiene oral eficaz pode ajudar  a evitar disfunção erétil
ARTIGOS

Estudo conclui que uma higiene oral eficaz pode ajudar a evitar disfunção erétil

LER MAIS

Translate:

OJD 64 JULHO 2019

OJD 64 JULHO 2019

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.