JornalDentistry em 2024-4-03

ARTIGOS

Diretrizes para Medicina Dentária sobre antibióticos

Pesquisadores recomendam atualização das diretrizes de antibióticos para uso em medicina dentária afim de proteger pacientes cardíacos de alto risco.

O National Institute for Health and Care Excellence (NICE) está a ser instado a rever as diretrizes de profilaxia com antibióticos dentários para proteger aqueles com alto risco de desenvolver uma infeção cardíaca grave.

Uma pesquisa liderada pela Universidade de Sheffield descobriu que pacientes odontológicos com alto risco de endocardite infeciosa, uma infeção com risco de vida das válvulas cardíacas que causa insuficiência cardíaca e derrames, devem receber antibióticos antes de serem submetidos a tratamentos invasivos, como extrações ou cirurgia oral. Este último estudo fornece mais evidências de que as diretrizes atuais do Reino Unido podem estar colocando pacientes de alto risco em risco extra desnecessário quando submetidos a procedimentos dentários invasivos.
A endocardite infeciosa (EI) é uma infeção cardíaca grave que pode ser fatal – 30% das pessoas morrerão dentro de um ano após o diagnóstico. Em cerca de 30% a 40% dos casos é causada por bactérias que vêm da boca, seja por má higiene oral ou durante procedimentos dentários invasivos.
Para evitar isso, os pacientes com maior risco de EI – aqueles que foram submetidos a intervenções cardíacas, como próteses valvares cardíacas, reparos valvares e reparos de doenças cardíacas congénitas – foram recomendados a ter cobertura de profilaxia antibiótica (AP) antes de se submeterem ao tratamento dentário invasivo.
No entanto, em 2008, o NICE recomendou o não usar profilaxia antibiótica (AP) devido à falta de evidências de eficácia e preocupações com a possibilidade de reações adversas aos antibióticos utilizados.
Embora os comités de diretriz em todo o mundo tivessem preocupações semelhantes, eles continuaram a recomendar PA para os pacientes com maior risco de desenvolver EI porque sentiram que os riscos de desenvolver EI superavam em muito quaisquer riscos de dar PA a esse grupo de pacientes.
Apesar das novas evidências consideráveis de que a AP é segura, eficaz e resultaria em economias de custos e benefícios significativos para a saúde, o NICE não revisou sua recomendação contra o uso da AP desde 2015.

Um novo estudo liderado pela Escola deMedicina dentária da Universidade de Sheffield, em colaboração com o Professor Bernard Prendergast – Cardiologista Consultor do Hospital St Thomas e da Cleveland Clinic, Londres, Reino Unido; Professor Mark Dayer — Cardiologista Consultor, Cardiovascular Research Institute, Dublin, Irlanda; Ash Frisby—Defensor do paciente com endocardite, e Professor Larry Baddour—Professor de Medicina (Doenças Infeciosas), Mayo Clinic College of Medicine, Rochester, MN, EUA, foi publicado no The Lancet Regional Health - Europe

O estudo constatou:
O risco de EI em pacientes de alto risco após procedimentos dentários invasivos como um todo é de 1 em 1.000 — isso cai para 1 em 3.333 se a PA for administrada antes do procedimento.

O risco de EI em pacientes de alto risco após extrações é de 1 em 100 — isso cai para 1 em 1.000 se a PA for usada.

O risco de EI após cirurgia oral é de 1 em 40 — isso cai para 1 em 500 se a PA for usada.
Em contraste, o risco de uma reação adversa significativa após a amoxicilina AP é de apenas 1 em 250.000 prescrições, e nenhuma delas seria fatal, enquanto 3 em cada 10 pessoas com EI morreriam dentro de um ano.

O professor Martin Thornhill, da Escola de Medicina Dentária  da Universidade de Sheffield e principal autor do estudo, disse: "A endocardite infeciosa é uma infeção cardíaca rara, mas devastadora, na qual cerca de 30% das pessoas morrem no primeiro ano após o seu desenvolvimento.
"Todos os principais comités de diretrizes de todo o  mundo, como a Associação Americana do Coração e a Sociedade Europeia de Cardiologia, recomendam que aqueles com alto risco de endocardite infeciosa devem receber profilaxia antibiótica antes de se submeterem a procedimentos dentários  invasivos. 

Instamos o NICE a rever as suas orientações para que os doentes de alto risco no Reino Unido recebam a mesma proteção contra a IE que é concedida aos doentes no resto do mundo.
"Existem atualmente 400.000 pessoas com alto risco de desenvolver EI no Reino Unido e esse número está aumentando a cada ano devido ao número crescente de pacientes que fazem intervenções cardíacas.
"Nosso estudo anterior mostrou que a prescrição de profilaxia antibiótica seria custo-efetiva se evitasse que apenas 1,4 pacientes de alto risco por ano desenvolvessem endocardite infeciosa. Assim, ao prevenir entre 40 e 260 casos por ano, a profilaxia antibiótica seria altamente rentável e provavelmente pouparia ao NHS mais de 5,5 milhões de libras anuais, além de gerar ganhos substanciais para a saúde daqueles em risco de endocardite."
O professor Thornhill e a equipa internacional de investigadores e cardiologistas realizaram uma série de estudos ao longo dos últimos 10 anos, o primeiro dos quais identificou um aumento significativo no número de pessoas diagnosticadas com a infeção cardíaca grave, juntamente com uma grande queda na prescrição de profilaxia antibiótica a pacientes dentários.

 

Fonte: University of Sheffield / MedicalXpress

Foto: Unsplash/CCO Public Domain

Recomendado pelos leitores

Novo método para testar o cancro oral
ARTIGOS

Novo método para testar o cancro oral

LER MAIS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca
ARTIGOS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca

LER MAIS

Estudo constata que o Bruxismo é uma condição recorrente entre pessoas com transtorno de stresse pós-traumático
ARTIGOS

Estudo constata que o Bruxismo é uma condição recorrente entre pessoas com transtorno de stresse pós-traumático

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.