JornalDentistry em 2023-8-26

ARTIGOS

Estudo revela que os dentes podem preservar anticorpos com centenas de anos.

Os dentes podem ser capazes de preservar anticorpos por centenas de anos, permitindo que os cientistas investiguem o histórico de doenças humanas infeciosas, segundo um novo estudo.

 

Os anticorpos são proteínas produzidas pelo sistema imunitário como resposta natural a organismos infeciosos como vírus e bactérias. O seu trabalho é reconhecer esses micróbios para que o sistema imunitário possa atacá-los e eliminá-los do corpo.

No novo artigo, publicado pela iScience, os anticorpos extraídos de dentes humanos medievais de 800 anos foram considerados estáveis e ainda capazes de reconhecer proteínas virais.

O estudo, liderado pelo professor Robert Layfield e pelo técnico de pesquisa Barry Shaw da Escola de Ciências da Vida da Universidade de Nottingham, em colaboração com o professor Anisur Rahman e o Dr. Thomas McDonnell do Departamento de Medicina da University College London, expande o estudo de proteínas antigas, conhecidas como paleoproteómicas, potencialmente permitindo que especialistas analisem como as respostas de anticorpos humanos se desenvolveram ao longo da história.

A paleoproteómica pode voltar ao tempo profundo com proteínas antigas já recuperadas com sucesso e identificadas após preservação em esmalte dentário de 1,7 milhão de anos de um rinoceronte antigo e uma casca de ovo de avestruz com mais de 6,5 milhões de anos. Neste novo estudo, os autores também encontraram evidências preliminares de que, como os dentes humanos medievais, ossos de mamutes com quase 40.000 anos parecem preservar anticorpos estáveis.

Esta ciência já foi aplicada pela equipa de Nottingham à análise de outras proteínas associadas a doenças recuperadas de ossos e dentes humanos arqueológicos para permitir a identificação de uma forma antiga invulgar da doença esquelética da doença de Paget.

O professor Layfield explicou: "Na ciência, chegamos a esperar o inesperado, mas a perceção de que anticorpos funcionais intactos podem ser purificados a partir de restos esqueléticos no registro arqueológico foi bastante surpreendente. Algumas proteínas antigas eram conhecidas por serem estáveis, mas tendem a ser proteínas 'estruturais', como colágenos e queratinas, que são bastante inertes."

O professor Rahman acrescentou: "Os anticorpos são diferentes porque somos capazes de testar se eles ainda podem fazer seu trabalho de reconhecer vírus ou bactérias, mesmo depois de centenas de anos. Neste caso, descobrimos que os anticorpos dos dentes medievais eram capazes de reconhecer o vírus Epstein-Barr, que causa febre glandular. No futuro, poderá ser possível observar como os anticorpos de espécimes antigos reagem a doenças presentes durante esses períodos, como a peste negra."

 

Fonte: ScienceDaily / University of Nottingham

Recomendado pelos leitores

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional
ARTIGOS

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional

LER MAIS

As bactérias orais são importantes para a  saúde – quatro doenças ligadas ao  microbioma oral
ARTIGOS

As bactérias orais são importantes para a saúde – quatro doenças ligadas ao microbioma oral

LER MAIS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral
ARTIGOS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral

LER MAIS

Translate:

OJD 117 MAIO 2024

OJD 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.