JornalDentistry em 2024-5-04

ARTIGOS

Estudo sugere que estatinas podem ajudar a combater as doenças gengivais

Tomar estatinas poderá beneficiar a boca além das artérias? Um novo estudo realizado em culturas de células mostrou que os medicamentos para baixar o colesterol ajudam a atenuar a inflamação associada à doença periodontal, alterando o comportamento dos macrófagos.

As estatinas são hoje o tipo mais comum de medicamento prescrito nos Estados Unidos, tomado por mais de 40 milhões de americanos para reduzir o colesterol.            O estudo sugere que esses medicamentos melhoram a saúde das gengivas e reduzem o risco de doenças cardíacas.
Subramanya Pandruvada, professor assistente da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade Médica da Carolina do Sul, supervisionou o trabalho.
“Durante o nosso estudo, replicamos condições específicas da doença periodontal e demonstramos que a introdução de estatinas no nosso modelo in vitro modifica a resposta dos macrófagos”, disse Pandruvada. “Isso  permitiu-nos explorar como medicamentos como as estatinas podem  ajudar-nos a tratar doenças inflamatórias, como a doença periodontal”.

A doença periodontal ocorre quando o crescimento de bactérias nas gengivas faz com que o sistema imunológico monte uma resposta inflamatória, contribuindo para sintomas como inchaço, sangramento e degradação óssea. Se não for tratada, pode levar à perda dentária. Quase metade dos adultos com mais de 30 anos tem alguma forma de doença periodontal, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.
Os tratamentos atuais para a doença periodontal avançada incluem antibióticos, limpezas profundas das superfícies dos dentes e raízes e vários procedimentos cirúrgicos. Os pesquisadores têm procurado novas maneiras de acalmar as doenças gengivais por meio de estratégias de tratamento menos invasivas.
Alguns estudos anteriores mostraram que as pessoas que tomam estatinas tendem a apresentar menos sinais de periodontite do que as pessoas que não tomam estatinas. O novo estudo é o primeiro a traçar as vias bioquímicas através das quais as estatinas parecem reduzir a inflamação periodontal.
“A literatura periodontal recente mostrou os efeitos benéficos das estatinas quando usadas com a terapia periodontal tradicional”, disse Pandruvada. “No entanto, o nosso estudo destaca uma nova abordagem na qual as estatinas afetam especificamente os macrófagos, o que – através deste mecanismo – pode ajudar a tratar a doença periodontal”.
Os macrófagos desempenham um papel importante ajudando o corpo a combater infecções; no entanto, também podem piorar a inflamação dependendo da forma que assumem nas diferentes fases da resposta imunológica. Os pesquisadores cultivaram macrófagos e células gengivais juntos para o estudo e  expuseram-nas a várias condições. Descobriram que a exposição à sinvastatina, uma estatina comum, suprimiu a resposta inflamatória dos macrófagos.
Como próximo passo, os investigadores planeiam estudar os impactos das estatinas na doença periodontal em modelos animais, um passo para determinar se esta estratégia pode ser uma abordagem segura e eficaz para futuras terapias periodontais.
As novas descobertas baseiam-se nos resultados iniciais do grupo, publicados no ano passado na revista Cells.

 

Fonte: MedicalXpress / American Society for Biochemistry and Molecular Biology

Foto:Unsplash/CCO Public Domain

Recomendado pelos leitores

Novo método para testar o cancro oral
ARTIGOS

Novo método para testar o cancro oral

LER MAIS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca
ARTIGOS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca

LER MAIS

Estudo constata que o Bruxismo é uma condição recorrente entre pessoas com transtorno de stresse pós-traumático
ARTIGOS

Estudo constata que o Bruxismo é uma condição recorrente entre pessoas com transtorno de stresse pós-traumático

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.