O JornalDentistry em 2018-10-02

ARTIGOS

Farmacocinética e Farmacodinâmica na medicina dentária

Farmacologia desempenha um papel importante na medicina dentária. O objetivo da farmacologia dentária é entender os aspetos científicos de como os medicamentos atuam nos diversos sistemas do organismo.

 

A farmacologia engloba dois aspetos do metabolismo das drogas - Farmacocinética e Farmacodinâmica.

Enquanto farmacocinética lida com a absorção, distribuição, metabolismo e excreção da droga a  farmacodinâmica lida com eficácia, a segurança, a ocupação do recetor (potência), e interações medicamentosas. O conhecimento de todos esses aspetos em relação a um determinado medicamento é necessário para tratar com sucesso uma condição dentária usando um determinado medicamento. 

Farmacocinética 
Após a administração oral ou tópica de um fármaco, a sua absorção requer que seja lipossolúvel, para poder difundir-se através do epitélio e atingir os capilares. 
Moléculas de drogas viajam na corrente sanguínea no estado livre ou ligadas às proteínas plasmáticas.  Apenas os fármacos não ligados são livre e são distribuídas nos tecidos.  Além disso, o fármaco original pode ser convertido em vários metabolitos. 
As drogas-mãe ou seus metabolitos podem ser ativos / inativos e tóxicos / não-tóxicos.  Após o metabolismo, o curso da eliminação da droga também varia dependendo da via de administração e das propriedades físico-químicas do fármaco. 

 

— Farmacodinâmica 
A ação do medicamento depende do estado dos recetores (ativo ou inativo). As drogas interagem com os recetores de várias maneiras. Os antagonistas ligam-se aos recetores e não ativam o estado do recetor. Os agonistas ligam e ativam os recetores. Os agonistas inversos estimulam seletivamente o estado do recetor inativo iniciando a resposta celular oposta àquela gerada por um agonista natural. 
A eficácia e potência dos medicamentos usados em medicina dentária é determinada pelo quão bem a droga se liga aos recetores e desencadeia a resposta desejada.  A potência dessas drogas é determinada como a quantidade de droga necessária para produzir uma intensidade de efeito escolhido.  As doses dos medicamentos são calculadas para uma determinada formulação (spray, gargarejo, comprimido, pomada ou adesivo, etc.) com base em vários fatores. Além disso, é igualmente importante entender os efeitos tóxicos associados aos medicamentos dentários e quaisquer interações com outros fármacos. 
 

Medicamentos Usados em medicina dentária 
Por exemplo, anestésicos locais, anestésicos gerais ou óxido nitroso são administrados para reduzir a perceção da dor associada a várias condições e procedimentos dentários e acompanhar a ansiedade. Os medicamentos anestésicos ligam-se aos canais de sódio, bloqueando a condução dos estímulos nervosos, são úteis em vários procedimentos como por exemplo a extração dentária. 
Pomadas anestésicas locais também são prescritas para aplicação antes das refeições, com fim de anestesiar a área da dor, para que o paciente possa comer com mais facilidade. O início e a duração da ação destes medicamentos dependerá de fatores tais como: a proximidade do alvo local, a concentração (dose), pH do tecido,  solubilidade aquosa/lipido, ligação às proteínas e redistribuição do fármaco nos tecidos. Os efeitos colaterais podem variar entre um ligeiro estado de confusão, alteração da fala ou a convulsões tônico-clônicas e depressão severa. A lesão nervosa também é um dos efeitos adversos sérios, mas menos comuns, dos anestésicos utilizados em medicina dentária. 
— Medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos, incluindo corticosteroides, são usados para aliviar a dor. Estes fármacos são o grupo mais comum usado em medicina dentária e estão disponíveis em diferentes formas e dosagem. Analgésicos, tais como: não-esteróides e anti-inflamatórios (NSAIDs) que ao unir-se aos recetores de ciclo-oxigenase (COX) - COX1 ou COX-2 inibem estas enzimas. Possuem atividades antipiréticas e anti-inflamatórias, além de atividades analgésicas. Os inibidores da COX2 são particularmente benéficos, uma vez que produzem menos ou nenhum efeito adverso gastrointestinal em comparação com os inibidores da COX1. Outros efeitos colaterais dos AINEs incluem renotoxicidade, dispepsia e reações anafiláticas. Os opioides são outra categoria de medicamentos usados em medicina dentária como analgésicos e sedativos. Afetam diretamente o sistema nervoso central. Os sintomas de dependência e abstinência são problemas potenciais associados ao uso a longo prazo de opioides. 
— Outra categoria são os antibióticos e antisséticos importantes para tratar as doenças tais como a placa bacteriana e a gengivite, e também a dos medicamentos antifúngicos usados para tratar doenças tipo candidíase oral. Estes medicamentos têm como alvo as gengivas e as raízes dentárias, e estão disponíveis em comprimidos e elixires orais e são usados também para tratamento do mau. Os antibióticos, bacteriostáticos, bem como bactericidas incluem fármacos como as penicilinas, cefalosporinas, tetraciclinas, amino glicósidos, etc. A escolha dos antibióticos é condicionada por variados fatores incluindo os tipos de infeção, a idade do paciente, o historial médico, medicações concomitantes, e resistência bacteriana. 
— Além disso, produtos contendo flúor são usados para prevenir a cárie sem necessidade de prescrição médica em áreas sem água  fluoretada. 

 

Fonte: Fonte News medical life sciences 

Artigo original:   "Pharmacokinetics and Pharmacodynamics of Dental Drugs" 

NR:   Ciclo oxigenase (COX),  é uma glicoproteína dimérica integral denominada  Prostaglandina H2 sintase, cuja a inibição farmacológica da COX pode causar alívio aos sintomas da inflamação e da dor.

 

Recomendado pelos leitores

A doença periodontal pode ser um iniciador da doença de Alzheimer.
ARTIGOS

A doença periodontal pode ser um iniciador da doença de Alzheimer.

LER MAIS

As bactérias da doença periodontal mesmo depois de mortas continuam a causar danos
ARTIGOS

As bactérias da doença periodontal mesmo depois de mortas continuam a causar danos

LER MAIS

Estudo demonstra que uma mudança positiva no sono está associada a melhor bem-estar físico e mental
ARTIGOS

Estudo demonstra que uma mudança positiva no sono está associada a melhor bem-estar físico e mental

LER MAIS

Translate:

OJD 55 OUTUBRO de 2018

OJD 55 OUTUBRO de 2018

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.