JornalDentistry em 2023-8-25

ARTIGOS

Foco em: Patologia Oral

Ashley Clark, DDS, discute o campo especializado da patologia oral – desde o que um patologista oral faz, até como se tornar um e quando encaminhar os seus pacientes para um.

 

 

 Primeiro, o que é um patologista oral?

— Um patologista oral é uma descrição de trabalho difícil de definir, mas todos temos uma coisa em comum: somos treinados em microscopia para diagnosticar lesões orais, cutâneas e maxilares. Essa é a parte mais essencial da profissão que nos une a todos. Também somos treinados em patologia oral clínica – como identificar e tratar doenças orais. Normalmente, os patologistas orais trabalham em instituições académicas. Isso significa que devemos fazer uma combinação de ensino, serviço e pesquisa.

Depois de uma década na academia, optei por uma transição para a prática privada, o que é um pouco raro em nossa profissão. Passo as manhãs dirigindo pela cidade recolhendo amostras de biópsia e depois focu-me  nos casos que recebo de todo o país. Também faço parte de  um conselho sobre tumores com os meus colegas especializados em otorrinolaringologia, radiologia, fonoaudiologia, prótese dentária, etc. Por fim, realizo cerca de 70 cursos/palestras de educação continuada este ano (variando de uma a 16 horas de duração), o que é mais do que o normal. No entanto, ensinar é minha atividade favorita, por isso tendo a manter minha agenda cheia.

Quando alguém deve consultar um patologista oral?

—Se tiver a sorte de ter um patologista oral (ou um especialista em medicina oral) na sua área, os casos ideais para enviar são leucoplasia verrucosa proliferativa, xerostomia problemática, ardor na boca e condições ulcerativas crónicas, como líquen plano ou membrana mucosa penfigóide. Se enviar leucoplasia, fibromas, etc., ao seu patologista oral, certifique-se de que ele faça as biópsias (alguns de nós não o fazemos). Qualquer coisa limitada a pesquisas radiográficos deve ser enviada a um cirurgião para biópsia ou a um radiologista oral, se tiver dúvidas.

 Como  se forma um patologista oral?

—Existem vários programas de formação nos Estados Unidos nos quais se pode inscrever após obter um diploma de DDS ou DMD (ou equivalente com formação no estrangeiro). Geralmente são programas de 3 anos com pelo menos 6 meses de rotações em patologia geral. Passamos a maior parte do dia a olhar lâminas de vidro; cerca de meio dia por semana é gasto com pacientes vivos (dependendo do programa de formação). Outras responsabilidades incluem consultas clínicas, coleta de amostras, etc.

Recomendaria a alguém que esteja seriamente interessado em patologia oral que contactasse os diretores de residência e manifestasse interesse; Eu também demonstraria esse interesse acompanhando um patologista oral. 

Mudando de assunto, fdiga-me como faz um diagnóstico diferencial.

—Isso é difícil para mim descrever porque é o mesmo que perguntar a um médico dentista geral como diagnosticar uma lesão de cárie: depois de tantos anos, é apenas algo que  sabe porque vê isso o tempo todo. Como minha prática é limitada à patologia oral, eu teria dificuldade em diagnosticar adequadamente lesões de cárie agora. Imagino que muitos patologistas não orais sintam o mesmo em relação ao diagnóstico de algumas lesões orais! Tudo bem – não é tão importante sabermos exatamente o que estamos vendo; o que é importante para o paciente é que saibamos o que fazer.

Quando eu trabalhava na academia, fazia três perguntas aos meus alunos durante o diagnóstico diferencial:

(1) Como descreveria isso no seu prontuário?

(2) Qual é o seu diagnóstico diferencial?

(3) Qual é o plano de tratamento? A questão que mais importa é a terceira, embora a segunda seja a mais intimidante.

Quando recebo uma amostra de biópsia, na verdade não quero um diferencial – quero que o médico me diga o que ele ou ela acha que é clinicamente. Por exemplo, uma área de leucoplasia verdadeira pode ter um diagnóstico diferencial que varia desde hiperqueratose benigna até alguma forma de displasia ou carcinoma de células escamosas. É muito útil para mim saber se o médico acha que isso  lhe pareceu preocupante ou se pareceu um tanto banal.

Na sua experiência, qual é a lesão patológica oral mais difícil?

—Definitivamente carcinomas gengivais. Esses carcinomas espinocelulares mimetizam uma ampla variedade de lesões benignas e reativas e podem passar despercebidos. Geralmente são indolores e têm menos associação com o uso de tabaco. Eu aconselharia os médicos dentistas a tratarem as lesões gengivais conforme as diagnosticaram clinicamente. Se, entretanto, a lesão não responder adequadamente à terapia, o diagnóstico inicial deverá ser revisto. Uma biópsia é normalmente indicada nesta situação.

Alguma conselhos?

— Eu diria para fazer um rastreio de cancror oral a todos os pacientes, não importa a idade. Diga ao paciente que estáa  fazer isso! Se você encontrar algo suspeito, a nova recomendação é enviar para biópsia imediatamente — não espere 2 semanas. Diagnosticei cancro em jovens de 20 anos sem fatores de risco; Por favor, não ignore nada que lhe pareça suspeito. Na dúvida, corte!

 

Sobre Ashley Clark, DDS Dr. Clark é um patologista oral certificado pelo conselho atualmente  vice-presidente do CAMP Laboratory em Indianápolis após uma carreira de quase uma década na academia. Faz parte do conselho profissional de Oral Cancer Cause and Digital Dental Notes  e do conselho consultivo de Medicina Dentária Geral.

A Dra. Clark ganhou vários prémios de ensino, forneceu mais de 100 cursos de educação continuada e é autor de mais de 40 publicações e capítulos de livros.

Ela pode ser contatada em ashleyclarkdds@gmail.com.

 

Fonte: www.dentistrytoday.com

Autor: Ashley Clark, DDS

Recomendado pelos leitores

Novo método para testar o cancro oral
ARTIGOS

Novo método para testar o cancro oral

LER MAIS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca
ARTIGOS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca

LER MAIS

Estudo constata que o Bruxismo é uma condição recorrente entre pessoas com transtorno de stresse pós-traumático
ARTIGOS

Estudo constata que o Bruxismo é uma condição recorrente entre pessoas com transtorno de stresse pós-traumático

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.