JornalDentistry em 2023-10-03

ARTIGOS

Gotas de capsaicina — uma nova estratégia para tratar a síndrome da boca ardente

A síndrome da ardência oral (SAO) é uma condição crónica caracterizada por uma dor ardente na boca, por vezes acompanhada de dormência.

As características clínicas desta condição assemelham-se muito a outros distúrbios da dor neuropática. A investigação sobre este fenómeno na Noruega tem sido limitada, mas um projeto de investigação na Faculdade de Medicina Dentária pode contribuir para o estabelecimento de um novo método de tratamento.

O SAO é muitas vezes considerado uma condição desconcertante porque a intensidade da dor raramente corresponde aos sinais clínicos da doença.

"A dor que dura pelo menos 4-6 meses com uma intensa sensação de queimadura na boca, que não pode ser explicada por uma condição médica ou dentária, é o que leva ao diagnóstico de SAO,” explica o Professor Associado Preet Bano Singh.

"Como tem havido tão pouca pesquisa sobre SAO, os pacientes muitas vezes sentem-se descartados, com  as suas queixas a ser banalizadas", continua Singh. "No entanto, ao scanear o cérebro de pacientes com SAO, detetamos patologia na matriz de dor no cérebro. Esta colaboração internacional e interdisciplinar foi publicada no European Journal of Neuroscience, indicando que os pacientes com SAO têm neuropatia cerebral na área da dor, o que pode ser uma causa da sensação de queimadura na boca."

Bano Singh trabalha na Clínica de Olfato, Sabor e Dor Oral, onde muitos pacientes com dor oral ardente crónica são encaminhados.

"Antes de confirmar que uma pessoa sofre da síndrome da boca ardente (SAO), é importante investigar e excluir outras possíveis causas da dor ardente", continua Singh.

Intervenções médicas e dentárias, bem como o uso de certos medicamentos, podem levar a ardor na boca. Isso envolve avaliar se a dor pode ter origem em problemas que afetam todo o corpo (causas sistémicas) ou em condições que afetam as áreas ao redor da boca (causas periféricas).

Atualmente, não existem regimes de tratamento eficazes para este grupo de doentes na Noruega. Vários medicamentos são usados para tratar o SAO, incluindo benzodiazepinas, gabapentina, antidepressivos tricíclicos, antipsicóticos, antioxidantes e terapias comportamentais.

"No entanto, nenhum desses tratamentos é ideal ou particularmente eficaz, e os pacientes experimentam desespero quando não há opções para tratar ou aliviar sua dor crônica", ressalta Singh.

Um remédio que tem algum efeito é o ácido alfa-lipóico, um antioxidante. De acordo com as observações de Singh, aproximadamente 60% de seus pacientes respondem positivamente a esse tratamento. Para os restantes 40 por cento, tem pouco ou nenhum efeito.

"No entanto, o BMS também pode ser eficazmente tratado com gel de capsaicina, que é comumente usado em outros países", diz Singh.

Mas não é possível comprar gel de capsaicina intraoral ou pomada na Noruega.

"Portanto, decidi explorar maneiras de criar uma substância que possa efetivamente fornecer a concentração correta de capsaicina para a mucosa oral", diz Singh. Para isso, contactou a Professora Associada Hanna Tiainen. A especialidade de Tiainen reside em biomateriais, química e ciência dos materiais, e ela conduz pesquisas no Laboratório de Pesquisa Clínica, Faculdade de Odontologia, UiO. Um laboratório dedicado à investigação em medicina dentária clínica.

Juntamente com Hanna Tiainen, o estudante de medicina Simon Singh, a estudante de mestrado em ciência dos materiais Léa Lecomte e os estudantes de odontologia Nadin Elkafas e Frozan Haideri, eles embarcaram em experimentos de laboratório relacionados à substância capsaicina. Os alunos foram treinados e supervisionados nas experiências de laboratório por Daria Zaytseva-Zotova e Alejandro Barrantes Bautista.

"A capsaicina é um composto químico encontrado naturalmente na pimenta. Atua como um "despertar" para recetores específicos no corpo que transmitem sinais de dor e temperatura. Esses recetores são chamados de 'recetores TRPV1'", explica Singh.

O desafio consiste em saber como manter a substância ativa onde deve estar. Quando a capsaicina é aplicada na boca, muitas vezes é lavada pela saliva e desaparece rapidamente quando a língua se move. Portanto, os pesquisadores estão trabalhando em encontrar uma maneira de prolongar a presença de capsaicina na boca.

"A capsaicina é um composto químico encontrado naturalmente na pimenta. Atua como um "despertar" para recetores específicos no corpo que transmitem sinais de dor e temperatura. Esses recetores são chamados de 'recetores TRPV1'", explica Singh.

O desafio consiste em saber como manter a substância ativa onde deve estar. Quando a capsaicina é aplicada na boca, muitas vezes é lavada pela saliva e desaparece rapidamente quando a língua se move. Portanto, os pesquisadores estão a trabalhar para encontrar uma maneira de prolongar a presença de capsaicina na boca.

"Neste projeto de pesquisa, o ideia é desenvolver uma espécie de 'portador' que possa manter a capsaicina no lugar na boca", explica Tiainen.

Este transportador deve ter viscosidade suficiente para aderir à membrana mucosa.

"O objetivo é desenvolver um novo método para entregar capsaicina na boca que proporcione maior duração e melhor eficácia. No entanto, antes que tal estratégia de tratamento possa ser implementada, deve-se investigar se o novo portador é seguro para as células da boca", concluem os pesquisadores.

 

Fonte: MedicalXpress / Universidade de Oslo


 

Recomendado pelos leitores

O Regime Jurídico aplicável à publicidade na medicina dentária
ARTIGOS

O Regime Jurídico aplicável à publicidade na medicina dentária

LER MAIS

Diretrizes para  Medicina Dentária  sobre antibióticos
ARTIGOS

Diretrizes para Medicina Dentária sobre antibióticos

LER MAIS

App projetada para orientação passo a passo em caso de emergência para equipes de medicina dentária
ARTIGOS

App projetada para orientação passo a passo em caso de emergência para equipes de medicina dentária

LER MAIS

Translate:

OJD 115 MARÇO 2024

OJD 115  MARÇO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.