JornalDentistry em 2024-4-20

ARTIGOS

Investigadores descobrem teste baseado em urina para detectar cancro de cabeça e pescoço

Investigadores do Health Rogel Cancer Center da Universidade de Michigan criaram um teste baseado em urina que detecta pedaços de fragmentos de DNA libertados por tumores de cabeça e pescoço.

O teste poderia potencialmente facilitar a detecção precoce deste tipo de cancro, que actualmente não possui um método de rastreio fiável.
O papilomavírus humano (VPH) é amplamente reconhecido por causar cancro cervical, mas é cada vez mais detetado por causar cancro na boca, garganta e outras regiões da cabeça e pescoço.
A detecção precoce é crítica porque detectar um cancro num estágio inicial pode levar a melhores resultados para os pacientes.
Usando a sequenciação completa do genoma, o grupo Rogel mostrou que os fragmentos de DNA livres de células libertados pelas células tumorais, que são transmitidos da corrente sanguínea para a urina através dos rins, são predominantemente ultracurtos, com menos de 50 pares de bases. Dado o seu pequeno tamanho, é provável que estes fragmentos sejam perdidos usando testes convencionais de biópsia líquida à base de urina ou sangue na deteção de DNA tumoral circulante (ctDNA).
A pesquisa foi liderada por Muneesh Tewari, MD, Ph.D., professor de hematologia e oncologia, J. Chad Brenner, Ph.D., professor associado de otorrinolaringologia-cirurgia de cabeça e pescoço, e Paul L. Swiecicki, MD, associado diretor médico da Unidade de Apoio a Ensaios Clínicos em Oncologia da Rogel. Os resultados iniciais são publicados no JCI Insight.
“Neste estudo fornecemos evidências que apoiam a hipótese de que os ensaios convencionais não detectam fragmentos ultracurtos encontrados na urina, uma vez que são concebidos para atingir fragmentos de ADN mais longos. A nossa equipa usou uma abordagem não convencional para desenvolver um teste de urina para detecção de ctDNA de cancro de cabeça e pescoço positivo para VPH”, disse o coautor do estudo e especialista em pesquisa Chandan Bhambhani, Ph.D.
Ainda na fase de estudo, este teste por correio já foi distribuído para fins de investigação a pacientes num raio de mais de 160 quilómetros de Ann Arbor, permitindo aos cientistas reunir dados significativos sobre a eficácia do kit caseiro. Os participantes recolhem uma amostra de urina e enviam-na de volta para o laboratório da U-M, onde podem ser feitos testes para detectar a presença ou ausência de cancro de cabeça e pescoço.
“Um dos resultados mais notáveis deste estudo é que o teste que foi desenvolvido detectou recorrências de cancro muito mais cedo do que normalmente aconteceria com base em imagens clínicas. Como tal, estes resultados promissores deram-nos confiança para alargar o âmbito do estudo, procurando expandir ainda mais a distribuição”, disse Brenner, co-autor sénior do estudo.
Embora os estudos iniciais se tenham concentrado no cancro de cabeça e pescoço, o artigo também descreve um novo método que poderia ser aplicado para expandir o teste para detectar também outros tipos de cancro. Por exemplo, os autores mostram que o teste pode detectar ctDNA na urina de pacientes com cancro de mama e leucemia mieloide aguda. Isto sugere novas oportunidades para estudar também a aplicação de testes à base de urina para estes cancros adicionais.
“Muitas pessoas não sabem que a urina contém informações sobre muitos tipos diferentes de cancro, embora seja produzida nos rins. As nossas descobertas sobre a diferença nos tamanhos dos fragmentos de ctDNA e o teste que desenvolvemos para detecção de cancro de cabeça e pescoço positivo para VPH fornecem informações cruciais sobre como ensaios de diagnóstico baseados em urina podem ser desenvolvidos para diferentes tipos de cancro”, disse Bhambhani. “Além disso, é provável que esses tipos de testes tenham uma adesão muito maior em pacientes que necessitam de testes de acompanhamento pós-tratamento, devido à conveniência da autorecolha de amostras, quando comparados aos testes baseados em sangue.”

 

 

Fonte: Oral Cancer Foundation /  University of Michigan
Foto: Unsplash/CCO Public Domain

Recomendado pelos leitores

Novo método para testar o cancro oral
ARTIGOS

Novo método para testar o cancro oral

LER MAIS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca
ARTIGOS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca

LER MAIS

Estudo constata que o Bruxismo é uma condição recorrente entre pessoas com transtorno de stresse pós-traumático
ARTIGOS

Estudo constata que o Bruxismo é uma condição recorrente entre pessoas com transtorno de stresse pós-traumático

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.