JornalDentistry em 2024-5-08

ARTIGOS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca

A boca humana é um ecossistema movimentado repleto de vida microscópica. Embora muitas vezes associemos a saúde oral à escovação, ao uso do fio dental e aos exames dentários regulares, há mais nesta história.

Um artigo de revisão recente publicado na Periodontology 2000 por investigadores do Karolinska Institutet, em colaboração com investigadores da Coreia do Sul, Sri Lanka e Austrália, investigou o intrincado mundo dos micróbios orais e o seu impacto potencial nas patologias orais, incluindo o desenvolvimento do cancro.

 

Georgios Belibasakis, Professor de Biologia Clínica da Infeção Oral e Chefe da Divisão de Saúde Oral e Periodontia do Departamento de Medicina Dentária, e a sua equipa discutem o bacterioma e o micobioma oral – as comunidades de bactérias e fungos     – entre patologias da mucosa oral e através de diferentes fases da carcinogénese oral. A revisão lança luz sobre os atores ocultos em nossas bocas e sua associação com a ocorrência e progressão de doenças.

Os estudos discutidos na revisão analisaram amostras de saliva, placa dentária (biofilme) e tecido da mucosa oral em diversas patologias orais e em vários estágios de desenvolvimento do cancro oral.

Aqui estão as principais conclusões:
Plataformas metagenómicas e metaproteómicas de tecnologia de ponta permitem-     -nos decifrar a composição dos ocupantes microbianos da boca, esclarecendo a sua presença e seu papel nas doenças. 

No caso do carcinoma espinocelular oral (CEC) destacaram-se algumas espécies bacterianas ou fúngicas.
Prevotella intermedia, Porphyromonas endodontalis, Acremonium exuviarum e Aspergillus fumigatus foram enriquecidos, enquanto, inversamente, Streptococcus salivarius, Scapharca trouxeonii, Mortierella echinula e Morchella septimelata foram esgotados nesta patologia.
A disbiose microbiana associada ao CECO foi mais pronunciada em amostras de mucosas, e não em amostras de biofilme ou saliva. Isto destaca a importância de considerar o microbioma espacial, bem como o círculo vicioso da interação entre bactérias e fungos, ao estudar a carcinogénese oral.
O professor Belibasakis disse: "Variações no 'microbioma central' de um indivíduo podem servir como marcadores preditivos para qualquer condição oral, incluindo carcinogénese. Os dados disponíveis melhoram nossa compreensão da ecologia dos nichos orais e suas alterações 'disbióticas' durante a displasia da mucosa oral e cancro oral.
“Este conhecimento poderá apoiar ferramentas de diagnóstico e prognóstico precoces, bem como tratamentos inovadores, dando um salto quântico na medicina oral”.
Na batalha contra o cancro oral, compreender a intrincada dança das bactérias e fungos na nossa boca pode revelar-se um aliado fundamental para uma melhor prevenção e gestão.

 

Fonte: MedicalXpress / Karolinska Institutet

Foto: Unsplash/CCO Public Domain

 

Recomendado pelos leitores

Novo método para testar o cancro oral
ARTIGOS

Novo método para testar o cancro oral

LER MAIS

Estudo constata que o Bruxismo é uma condição recorrente entre pessoas com transtorno de stresse pós-traumático
ARTIGOS

Estudo constata que o Bruxismo é uma condição recorrente entre pessoas com transtorno de stresse pós-traumático

LER MAIS

Líquido de baixo custo  Fuoreto de diamina de prata (SDF) controla cáries dentárias
ARTIGOS

Líquido de baixo custo Fuoreto de diamina de prata (SDF) controla cáries dentárias

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.