JornalDentistry em 2024-4-12

ARTIGOS

Modelo de laboratório permite que pesquisadores explorem a resposta da boca às doenças orais

Os investigadores criaram um modelo tridimensional da mucosa oral que pode ser utilizado em estudos para testar a sua resposta a uma série de infeções bacterianas e outras.

Os investigadores relatam os seus resultados no Journal of Tissue Engineering.
O modelo, criado por especialistas em medicina dentária e imunologia da Universidade de Plymouth, é formado a partir de um hidrogel de colágeno contendo tipos de células comumente encontrados no corpo humano.
Numa série de testes, os investigadores analisaram a resposta do modelo a uma série de agentes patogénicos, incluindo Candida albicans e Staphylococcus aureus.
Descobriram que ela se comportou de forma semelhante às respostas observadas em outros estudos envolvendo pacientes reais, indicando que poderia ser implementado para um estudo mais amplo de infeções orais.
Especificamente,  planeiam usá-la para avaliar como a mucosa oral – o tecido semelhante à pele que reveste o interior da boca, incluindo o interior das bochechas e dos lábios – pode responder ao desgaste prolongado de próteses.
Com o epitélio não limitado à cavidade oral, os investigadores também acreditam que tais modelos também podem ter um papel potencial na investigação de doenças do sistema digestivo, como a doença de Crohn.
Vehid Salih, Professor Associado em Pesquisa em Saúde Oral e Dentárias, liderou o estudo e trabalhou com o Dr. Andrew Foey, Professor Associado de Imunologia e a ex-Ph.D. estudante Dra. Samantha Gould.
"O desenvolvimento de modelos tridimensionais de tecidos é um elemento crítico da nossa pesquisa dentária. Eles oferecem um grau de versatilidade que imita a fisiologia in vivo de um tecido específico, bem como um processo reproduzível e controlável que podemos usar para investigar patologias específicas e doenças.
“Os resultados que vimos deste modelo específico sugerem que é uma recriação da cavidade oral que podemos usar para uma ampla gama de pesquisas odontológicas. Isso inclui o teste de produtos de saúde oral ou modelagem de invasão de cancro oral, doença periodontal e estomatite protética.
O modelo também poderia ser desenvolvido para oferecer o potencial de determinar uma resposta imunológica mais ampla à infeção por meio da incorporação de vários tipos de células imunológicas", disse Salih.
O modelo desenvolvido através deste estudo já está a ser expandido através de um projeto que utiliza modelos criados em laboratório para explorar os impactos físicos a longo prazo devido ao uso de próteses dentárias.
Pesquisas recentes sugeriram que até 15% das pessoas que visitam consultórios consultórios na Inglaterra têm próteses parciais ou completas, prevendo-se que esse número aumente significativamente nos próximos anos.
No entanto, embora as dentaduras sejam moldadas e ajustadas individualmente, tem havido pouca investigação sobre como o seu uso afecta o revestimento da boca dos pacientes.
O novo projeto, liderado pelo professor Simon Whawell, permitirá aos investigadores realizar análises detalhadas e repetidas de como o tecido responde à pressão física repetida associada às próteses funcionais.
 
 
 
Fonte: University of Plymouth /  edicalXpress
Foto: Unsplash/CCO Public Domain

Recomendado pelos leitores

Novo método para testar o cancro oral
ARTIGOS

Novo método para testar o cancro oral

LER MAIS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca
ARTIGOS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca

LER MAIS

Estudo constata que o Bruxismo é uma condição recorrente entre pessoas com transtorno de stresse pós-traumático
ARTIGOS

Estudo constata que o Bruxismo é uma condição recorrente entre pessoas com transtorno de stresse pós-traumático

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.