O JornalDentistry em 2018-1-16

ARTIGOS

O crescente debate sobre o uso terapêutico da canábis nos EUA

É com um sentimento de curiosidade apreensiva que muitos profissionais de saúde encaram a utilização da canábis para fins terapêuticos. O conceito é surpreendente.

A mesma planta que não há muito tempo era estigmatizada como  intoxicante está sendo agora encarada como mais uma solução de saúde alternativa para o  futuro. 

 

Os cuidados de saúde, não são estranhos às tendências de curas modernas, ou "remédios naturais" que prometem prometem mundos e fundos e que na maior parte das vezes são inoperantes. 

Durante anos foi precisamente como foi visto o movimento para a legalização do canábis medicinal. 

Embora nos EUA diversos Estados tenha optado por a legalizar, devido à obscuridade em torno do status legal da canábis, esse pensamento deixa muitos provedores de saúde com um desconfortável sentimento de incerteza. 

A escolha de adotar a legalização da canábis, não invalida que as regulamentações nacionais sobre a canábis (médica ou não) permaneceram constantes em sua dissidência, levando mesmo a confrontações ocasionais entre os formuladores de políticas estaduais e federais. 

É essa justaposição de pontos de vista que deixam a erva numa zona legal de cinza: legal em algumas áreas, para certos usos, mas um Narcótico do Programa 1 em todos os outros, e tecnicamente mesmo nos lugares onde é legal. 

Somente ao encorajar o discurso informado entre os profissionais de saúde, poderemos finalmente decidir se a canábis medicinal é uma mais valia ou uma fraude.

O que é canábis medicinal? 

O tema não começou com seriedade até meados da década de 1960, quando os cientistas observaram comunidades tribais usando canábis para tratar a dor e combater os sintomas do glaucoma. Ao mesmo tempo, o uso recreacional da canábis experimentava uma enorme onda de popularidade entre os jovens devido à mentalidade "ligar, sintonizar e abandonar". Por outro lado  soldados da Guerra do Vietname também começaram a usar canábis (entre outras drogas) para tratar a dor crónica causada pelos rigores dos combates. 

Logo após a Guerra do Vietname, o primeiro tratamento sintético de canábis medicinal foi aprovado para uso nos Estados Unidos. Este tratamento em cápsula sintética de tetrahidrocannabinol (THC), o composto psicoativo na canábis foi prescrita a pacientes com cancro. No entanto, uma vez que os tratamentos contra o cancro ao fim de algum tempo tornava a deglutição da pílula de THC incrivelmente dolorosa, o tratamento foi abandonado, e gradualmente desapareceu da consciência americana como mais uma nova teoria científica descontrolada. 

No entanto, parece que o impulso para a canábis medicinal só foi adormecido, e voltou para o foco nacional com vigor renovado quando a Califórnia se tornou o primeiro estado a legalizar a canábis medicinal em 1996. 

Hoje, os defensores da canábis medicinal afirmam que aliviam condições que estão para além da ajuda com  tratamentos convencionais. 

Por exemplo, mesmo o estado de Illinois (um dos mais difíceis no cadastro de maconha medicinal) reconheceu a capacidade da canábis de reduzir os sintomas de uma série de condições, incluindo:

 

— VIH / AIDS 

— Cancro 

— Doença de Crohn 

— Glaucoma 

— hepatite C 

— Lúpus 

— Esclerose lateral amiotrófica (ALS) 

— Esclerose múltipla 

— Distrofia muscular 

— Mal de Parkinson 

— Síndrome pós-concussão 

— Transtorno de stresse pós-traumático 

— Artrite reumatoide 

— Lesões da medula espinhal e / ou distúrbios neurológicos 

A ajuda da canábis medicinal.  Funciona? 

A eficácia da canábis medicinal é um argumento particularmente controverso, sem um fim claro à vista. Infelizmente, não há uma resposta clara. 

No entanto, como pesquisas legítimas sobre a canábis finalmente foram permitidas para começar, os resultados iniciais deram aos defensores da maconha medicinal um impulso de credibilidade. O desenvolvimento mais interessante a partir de estudos académicos sobre esta droga é a descoberta e compreensão dos cannabinóis (CBDs), o outro componente químico ativo da erva e os efeitos e usos para o corpo. 

Enquanto o THC (o elemento psicoativo da canábis) parece ter muitas aplicações para gerir a dor e como complemento para tratamentos psicológicos, os CBDs são a verdadeira "estrela " na composição química da cannabis. Os canabinóis demonstraram aliviar diretamente os sintomas de distúrbios neurológicos e reumatológicos, ligando-se aos receptores CB2 que se encontram em todo o corpo. Os CBDs ontem os resultados desejados sem deixar o paciente prejudicado ou intoxicado. 

É através da dupla ação do THC e CBD que avanços notáveis foram feitos no tratamento de tudo, desde as convulsões musculares dos pacientes de Parkinson até a inflamação dolorosa causada pela artrite reumatoide. 

No entanto, como é com qualquer novo tratamento de saúde, não saberemos realmente a eficácia da canábis até que tenha sido usado por pacientes por mais tempo e seja estudado por médicos com mais profundidade. Fonte: Dentistry Today

Autor: Schefdore -Graduado da Columbia Colege of Chicago -  king@seoocontent.com 

Artigo original: “The Growing Debate Over Medical Cannabis”

Nota redação: A Grécia vai autorizar uso terapêutico da canábis em breve

 

Recomendado pelos leitores

A má saúde oral pode causar quedas nos idosos?
ARTIGOS

A má saúde oral pode causar quedas nos idosos?

LER MAIS

Com o cancro oral em ascensão, os médicos dentistas podem desempenhar um papel importante
ARTIGOS

Com o cancro oral em ascensão, os médicos dentistas podem desempenhar um papel importante

LER MAIS

O RGPD
ARTIGOS

O RGPD "light" português

LER MAIS

Translate:

OJD 51 MAIO de 2018

OJD 51 MAIO de 2018

VER EDIÇÕES ANTERIORES