JornalDentistry em 2024-6-04

ARTIGOS

Pacientes com cancro de cabeça e pescoço, podem aplicar implantes dentários antes da radioterapia?

Uma tese de doutorado da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Oslo aponta para a possibilidade de reconsiderar as rotinas de tratamento padrão, visando melhorar a qualidade de vida das pessoas que sobrevivem ao cancro de cabeça e pescoço.

Globalmente, o cancro da cabeça e pescoço representa 5% de todos os tipos de cancro, com uma taxa de mortalidade de 50%. Contudo, nos países nórdicos, o cancro da cabeça e pescoço representa apenas 2,6% de todos os cancros, com uma taxa de mortalidade de apenas 30%.

Mas mais sobreviventes significam que muitos terão de viver com danos extensos e efeitos secundários após o cancro e o tratamento do cancro.

“É a localização exposta e vulnerável que faz do cancro de cabeça e pescoço um dos tipos de cancro mais mutiladores”, explica Lisa Printzell.
Lisa Printzell trabalha como especialista em próteses orais no departamento de ouvido, nariz e garganta do Rikshospitalet. Recentemente, concluiu um doutoramento na Universidade de Oslo, onde investigou uma via alternativa de reabilitação para pacientes com cancro de cabeça e pescoço.

 

Os pacientes muitas vezes têm os dentes removidos em conexão com o tratamento do cancro
“As complicações causados ​​​​pela cirurgia e pela radioterapia podem dificultar a mastigação, a deglutição e a fala dos pacientes”, diz Printzell. Em alguns, a  aparência muda significativamente, o que podem considerar incompatível com uma vida normal ou digna.

Printzell também explica que antes que os pacientes possam receber radioterapia para cancro de cabeça e pescoço, muitas vezes é necessário remover vários dentes para prevenir infeções.

“Para a maioria dos pacientes, essa notícia é um grande choque. Alguns acham a notícia de ter que arrancar dentes quase tão brutal quanto o diagnóstico de um cancro grave”, afirma a pesquisadora.

 

A reabilitação após cancro de cabeça e pescoço é exigente.
“As alterações anatómicas após a cirurgia de cancro podem criar desafios funcionais e estéticos significativos. No entanto, os efeitos colaterais da radioterapia são talvez o que torna a reabilitação oral mais exigente”, explica Printzell.

Os pacientes geralmente apresentam mucosa oral fina, seca e muito frágil após a radioterapia, dificultando o uso de próteses dentárias comuns que repousam sobre mandíbulas desdentadas.

“Para alcançar uma reabilitação oral satisfatória nesses pacientes, os implantes dentários são frequentemente usados ​​para apoiar e fixar próteses ou outras substituições dentárias”, explica Printzell.  
Os chamados implantes osseointegrados servem então como acessório para vários tipos de substituições dentárias.
Um grande desafio neste contexto é que o tecido irradiado tem uma capacidade reduzida de cicatrização, levando a uma integração reduzida e incerta (osseointegração) dos implantes dentários.
“A sobrevivência dos implantes dentários colocados em maxilares irradiados é significativamente menor do que aqueles colocados em pacientes não irradiados”, diz Printzell.

Observa que qualquer procedimento cirúrgico em mandíbula previamente irradiada apresenta um risco aumentado de infeção. Além da falta de capacidade de cura, pode, na pior das hipóteses, resultar em osteorradionecrose, em decorrência do tratamento de radiação.

 

Longo tempo de espera
Devido aos riscos envolvidos, a reabilitação com implantes dentários para estes pacientes não é considerada até pelo menos um ano após o término da radioterapia. Os pacientes vivenciam isso como um longo período de espera com qualidade de vida significativamente reduzida.

“Por isso, precisamos de pesquisas sobre métodos alternativos. No mínimo, métodos que possam proporcionar uma reabilitação oral mais rápida para o grupo desses pacientes que mais necessita”, explica Printzell.

Uma possibilidade para isso é instalar os implantes antes do início da radioterapia, em conexão com cirurgia de cancro ou extração dentária.

 

A radiação pode refletir em células saudáveis
Printzell explica que a chamada instalação primária de implantes não é desconhecida. Estudos têm demonstrado um aumento da utilização desta abordagem na última década, sempre justificado pelo aumento da qualidade de vida dos pacientes.

No entanto, apesar dos benefícios inegáveis ​​de uma reabilitação oral mais rápida, os médicos permanecem um tanto hesitantes e céticos em relação a esta abordagem.
Uma razão para isso é a preocupação com o “efeito de retroespalhamento”, que ocorre quando a radiação atinge os implantes.

“Quando a radiação ionizante é direcionada a um tumor cancerígeno e há um implante de titânio no campo de radiação, nem toda a radiação penetrará no metal. Em vez disso, ela será refletida de volta para o tecido circundante”, explica Printzell. As células saudáveis ​​na superfície do implante receberão então uma dose de radiação mais elevada e poderão sofrer mais danos do que sofreriam se não houvesse implante presente.

“Existe a preocupação de que isso afete negativamente a osseointegração (cicatrização) contínua do implante e, portanto, também a sobrevivência do implante”, diz Printzell.

Printzell observa que muito pouco se sabe sobre o quão prejudicial é o efeito de retroespalhamento. Portanto, ela e seus colegas queriam investigar isso mais detalhadamente.

Avaliaram o efeito da radiação retroespalhada do titânio em dois dos tipos de células mais importantes para a consolidação óssea e osseointegração de implantes dentários. Esses tipos de células são chamados de células-tronco mesenquimais humanas e osteoblastos.

As células-tronco mesenquimais humanas têm potencial para se desenvolver em muitos tipos de células diferentes, incluindo osteoblastos, que são os precursores das células ósseas maduras.

Printzell acrescenta: “Nas nossas experiências, essas células foram semeadas em duas superfícies de titânio diferentes, bem como  numa superfície de plástico. As células foram então expostas a várias doses de radiação gama ionizante, relevante para o que é usado no tratamento do cancro. As superfícies de titânio gerava radiação retroespalhada para as células, enquanto a superfície plástica representava 'maxilar sem implante presente'."

 

Pequenas doses ao longo do tempo
No tratamento do cancro, as doses de radiação são medidas em cinza (Gy). Gray é a unidade internacional para medir a dose de radiação absorvida. Os pacientes normalmente recebem radioterapia em pequenas doses (geralmente 2 Gy) 5 dias por semana até que a dose total (50–70 Gy) seja alcançada após 5–7 semanas.

O objetivo da administração de muitas doses pequenas ao longo do tempo é dar às células saudáveis ​​​​no campo de radiação tempo para reparar pequenos danos ao DNA entre as doses.

"Descobrimos que a radiação retroespalhada do titânio gerou um aumento de até 40% na dose de radiação para as células mais próximas da superfície do titânio. No entanto, as doses mais baixas (2 e 6 Gy) causaram efeito mínimo nas células", diz Printzell.

Uma dose de radiação mais elevada (10 Gy) reduziu significativamente o número de osteoblastos (células produtoras de osso) em superfícies de titânio em comparação com superfícies de plástico, mas aumentou a capacidade das células sobreviventes de se desenvolverem em células ósseas maduras.

“Também descobrimos que a dose mais alta de 10 Gy inibiu a capacidade de ambos os tipos de células se moverem de um lugar para outro no titânio, enquanto doses mais baixas (2 e 6 Gy) não causaram danos significativos ao DNA nem afetaram a capacidade de movimentação das células.

“Os resultados indicam que a radiação retroespalhada do titânio em doses de 2 Gy não causa maiores danos celulares do que a mesma dose sem a presença de um implante”, diz Printzell.

Printzell diz que é claro que são necessárias mais pesquisas para estabelecer este tratamento como a primeira escolha para este grupo de pacientes.
"No entanto, podemos concluir que nossas descobertas são importantes para a questão de saber se a radiação retroespalhada dos implantes de titânio deve ser uma razão para evitar a chamada instalação primária de implantes em pacientes que serão submetidos à radioterapia."

Printzell explica que quando iniciaram este estudo, sabiam que havia um risco aumentado de colocação de implantes em maxilares previamente irradiados. O que eles não sabiam era se envolvia risco maior, menor ou igual inserir implantes nesses pacientes pouco antes de serem submetidos à radioterapia.

"O que sabíamos, e ainda sabemos hoje, é que as substituições dentárias suportadas por implantes aumentam significativamente a qualidade de vida dos pacientes com cancro da cabeça e pescoço, e quanto mais cedo o paciente puder ser reabilitado desta forma, mais curto será o caminho de volta a um vida próxima do normal", diz Printzell.

 

Fonte:  University of Oslo / Medicalxpress

Foto: Unsplash/CCO Public Domain

Recomendado pelos leitores

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional
ARTIGOS

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional

LER MAIS

As bactérias orais são importantes para a  saúde – quatro doenças ligadas ao  microbioma oral
ARTIGOS

As bactérias orais são importantes para a saúde – quatro doenças ligadas ao microbioma oral

LER MAIS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral
ARTIGOS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral

LER MAIS

Translate:

OJD 117 MAIO 2024

OJD 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.