JornalDentistry em 2023-8-16

ARTIGOS

Passo importante para o desenvolvimento do esmalte dentário biológico

Atualmente, cáries e danos no esmalte são reparados por médicos dentistas com a ajuda de materiais sintéticos de preenchimento branco. Não há alternativa natural a isso.

Mas um novo modelo 3D com células estaminais dentárias humanas pode mudar isso no futuro. Os resultados da pesquisa liderada pelo professor Hugo Vankelecom, da KU Leuven, e pela professora Annelies Bronckaers, da UHasselt, foram publicados na revista Cellular and Molecular Life Sciences.

Os nossos dentes são muito importantes nas atividades do dia-a-dia, como comer e falar, bem como fundamentais para a nossa autoestima e bem-estar psicológico. Sabe-se relativamente pouco sobre os dentes humanos. Uma razão importante é que certas células estaminais dentárias humanas, ao contrário das dos roedores, são difíceis de cultivar em laboratório. É por isso que a equipa KU Leuven do Professor Hugo Vankelecom, em cooperação com a UHasselt, desenvolveu um modelo de investigação 3D com células estaminais do folículo dentário, um tecido membranoso que envolve dentes humanos não erupcionados.

"A vantagem deste tipo de modelo 3D é que reproduz de forma fiável as propriedades originais das células estaminais. Podemos recriar um pequeno pedaço do nosso corpo no laboratório, por assim dizer, e usá-lo como modelo de pesquisa", diz o professor Vankelecom. "Usando células-tronco dentárias, podemos desenvolver outras células dentárias com esse modelo, como os ameloblastos, que são responsáveis pela formação do esmalte."

Material de enchimento biológico

Todos os dias, os nossos dentes estão expostos a ácidos e açúcares dos alimentos que podem causar danos ao nosso esmalte. O esmalte não se regenera, o que torna necessária uma intervenção dentária. O médico dentista tem de preencher quaisqueres cavidades possíveis com materiais sintéticos. "No nosso novo modelo, conseguimos transformar células estaminais dentárias em ameloblastos que produzem componentes do esmalte, que podem eventualmente levar ao esmalte biológico. Esse esmalte poderia ser usado como um material de preenchimento natural para reparar o esmalte dentário, explica a doutoranda Lara Hemeryck. "A vantagem é que, desta forma, a fisiologia e a função do tecido dentário são reparadas naturalmente, o que não acontece com os materiais sintéticos. Além disso, haveria menos risco de necrose dentária, que pode ocorrer na superfície de contato ao usar materiais sintéticos."

Impacto em muitos setores

Não só os médicos dentistas poderiam ajudar os seus pacientes com este material de obturação biológica. O modelo de célula 3D também pode ter aplicações em outros setores. Por exemplo, poderia ajudar a indústria alimentar a examinar o efeito de determinados produtos alimentares no esmalte dentário, ou os fabricantes de pasta de dentes a otimizar a proteção e os cuidados. "Além disso, queremos combinar este modelo com outros tipos de células estaminais dentárias para desenvolver ainda outras estruturas dentárias e, eventualmente, um dente biológico inteiro. Agora, focámo-nos nos ameloblastos, mas o nosso novo modelo abre claramente várias possibilidades para mais investigação e inúmeras aplicações", conclui o professor Vankelecom

 

 

Fonte: MedicalXpress

 

Recomendado pelos leitores

Novo método para testar o cancro oral
ARTIGOS

Novo método para testar o cancro oral

LER MAIS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca
ARTIGOS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca

LER MAIS

Os higienistas orais como peça fundamental na prevenção da saúde oral
ARTIGOS

Os higienistas orais como peça fundamental na prevenção da saúde oral

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.