JornalDentistry em 2022-11-05

ARTIGOS

Perda óssea periodontal causado por bactérias

Encontrados vários tipos de bactérias que contribuem para a perda óssea na doença das gengivas. As bocas abrigam o segundo maior microbioma do corpo humano.

 

Algumas bactérias podem ajudar a decompor os alimentos, entre outras responsabilidades, outras bactérias podem viajar para a boca com os alimentos, dedos, objetos e podem contribuir para a doença das gengivas e outras infeções orais.

 Mais do que bactérias boas ou más, os investigadores revelaram agora que a bactéria positiva e negativa é responsável por sintomas de periodontite - ou seja Gram-positiva e Gram-negativa.

As bactérias gram-positivas têm paredes celulares mais grossas que retêm a cor púrpura da mancha de Gram, que pode rapidamente diferenciar os tipos de células com base na largura das suas paredes celulares. Pela primeira vez, os investigadores descobriram que as bactérias gram-positivas também podem induzir a reabsorção do osso que mantém os dentes no lugar, chamado osso alveolar. Os resultados foram publicados em Relatórios Científicos.

"Esta descoberta é um novo conceito: tanto as bactérias gram-positivas como as negativas estão envolvidas na progressão da perda óssea periodontal", disse o autor principal, Masaki Inada, professor associado do Departamento de Biotecnologia e Ciências da Vida da Universidade de Agricultura e Tecnologia de Tóquio (TUAT). Em condições saudáveis, a raiz do dente é incorporada numa tomada no osso alveolar no tecido periodontal. A infeção de bactérias gram-negativas mistas resultou na reabsorção óssea alveolar e na perda de dentes induzida por inflamação severa nos tecidos periodontal. É sabido que os principais agentes patogénicos da periodontite são as bactérias gram-negativas. Não ficou claro se as bactérias gram-positivas estão associadas ou contribuem para a progressão da perda óssea periodontal."

Num estudo anterior, os investigadores injetaram lipopolysacárido (LPS) de bactérias gram-negativas em ratos criados sem o gene que produz moléculas que se reúnem em locais de tecido danificado. Sem estas moléculas, chamadas prostaglandina E2 (PGE2), o LPS não conseguiu induzir a perda óssea. Isto sugeriu, disse Inada, que o PGE2 é necessário para que a periodontite progrida.

"O LPS é considerado um agente patogénico dominante que causa a reabsorção óssea inflamatória na periodontite", disse Inada. "Por outro lado, sabe-se que as bactérias gram-positivas contribuem para a inflamação das gengivas periodontais nas fases iniciais da periodontite; no entanto, havia poucas evidências que demonstrassem que estes agentes patogénicos contribuem para a indução da reabsorção óssea inflamatória na fase tardia da periodontite."

Trata-se de remodelação óssea, de acordo com Inada. Em que ponto a morte celular da infeção ultrapassa o esforço do corpo para criar novas células ósseas?

"Várias razões podem estar a contar e a explicar estes fenómenos", disse Inada.

No caso dos LPS nos ratos deficientes do PGE2, o equilíbrio manteve-se a favor da formação óssea. Mas quando os investigadores introduziram o ácido lipoteióico (LTA), um componente importante da parede celular em bactérias gram-positivas, o equilíbrio inclinou-se para a reabsorção óssea.

Os investigadores injetaram ratos com periodontite com LTA e descobriram que aumentou a quantidade de PGE2, resulta em reabsorção óssea. Também viram que as bactérias gram-positivas proliferavam numa taxa mais alta do que as bactérias gram-negativas e preferiram ocupar as profundezas dos bolsos dos dentes — sugerindo uma dose mais potente de LTA mais perto do local da perda óssea, de acordo com Inada.

"O nosso objetivo é clarificar o efeito de bactérias gram-positivas e negativas para a patogénese e progressão da perda óssea periodontal", disse Inada. "A compreensão dos mecanismos contribuirá para o desenvolvimento de novos fármacos para o tratamento da perda óssea periodontal."

Fonte: MedicalXpress / Tokyo University of Agriculture and Technology

 

Recomendado pelos leitores

Bebés com lábio leporino suscetíveis de ter idade adulta normal: Estudo
ARTIGOS

Bebés com lábio leporino suscetíveis de ter idade adulta normal: Estudo

LER MAIS

Novas pesquisas mostram que a COVID-19 impacta negativamente a função de memória
ARTIGOS

Novas pesquisas mostram que a COVID-19 impacta negativamente a função de memória

LER MAIS

Leucoplasia: causas, sintomas e tratamento
ARTIGOS

Leucoplasia: causas, sintomas e tratamento

LER MAIS

Translate:

OJD 100 NOVEMBRO 2022

OJD 100 NOVEMBRO 2022

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.