JornalDentistry em 2023-5-29

ARTIGOS

Relação entre a densidade nervosa e o cancro oral

Investigadores norte-americanos identificaram uma nova métrica para articular a relação entre a densidade nervosa e o cancro oral.

O estudo, realizado por investigadores do Rogel Cancer Center da Universidade de Michigan e da Escola de Odontologia, e publicado na Clinical Cancer Research, investigou a densidade nervosa normalizada para traduzir estudos mecanísticos anteriores num contexto que poderia ser usado na clínica.

"Estamos a reconhecer cada vez mais que há uma interação muito dinâmica entre nervos e células cancerígenas no microambiente tumoral", disse o autor Dr. Nisha D'Silva.

A equipa analisou a forma como a densidade dos nervos dentro de um tumor se relacionava com o crescimento do mesmo. A cavidade oral tem várias regiões, cada uma com funções diferentes. A forma como cada área recebe os nervos é distinta; os nervos no interior da bochecha têm um papel diferente e são menos do que os nervos na língua. Dadas estas variações, olhar para a densidade nervosa do tumor sem considerar a inervação normal das diferentes áreas da cavidade oral e a variação de cada indivíduo para avaliar se um tumor é agressivo resulta num quadro impreciso.

Para explicar isto, a equipa criou uma métrica padronizada para a densidade nervosa para esclarecer a variação na distribuição dos nervos na cavidade oral, chamada densidade nervosa normalizada, e mostrou a sua importância na progressão tumoral. A maior parte do trabalho foi feito com tecido humano, com a equipa a validar os resultados através de ratos, recorrendo a tecido adjacente para comparar e determinar uma densidade "normalizada" para diferentes regiões da cavidade oral.

"Mostramos que tumores com alta densidade nervosa normalizada parecem estar associados a baixa sobrevida para pacientes com cancro de língua, que é o tipo mais comum de cancro oral", disse o Dr. D'Silva.

"Também descobrimos que pacientes com alta densidade nervosa normalizada e uma distância menor entre o nervo e o tumor têm piores resultados". Além disso, a equipa explorou o uso de inteligência artificial (IA) para medir a densidade nervosa normalizada, o que poderia facilitar o uso dessa métrica na prática clínica.

Um desafio no tratamento de cancros da cavidade oral é a sua tendência para recorrer.

"A questão é: como procurar fatores que possam contribuir para a progressão? Como é que se poderá usar as características nervosas para descobrir quais cancros que se comportarão de forma mais agressiva?", afirmou o Dr. D'Silva, acrescentando que se os investigadores puderem descobrir quais os cancros que provavelmente serão mais agressivos desde o início, poderão tratar esses tumores de forma mais agressiva desde o início. A densidade nervosa normalizada fornece aos investigadores outro ponto de dados para determinar o melhor curso de tratamento.

 

Fonte: Oral Cancer Foundation /  www.bitemagazine.com.au

Recomendado pelos leitores

Novo método para testar o cancro oral
ARTIGOS

Novo método para testar o cancro oral

LER MAIS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca
ARTIGOS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca

LER MAIS

Os higienistas orais como peça fundamental na prevenção da saúde oral
ARTIGOS

Os higienistas orais como peça fundamental na prevenção da saúde oral

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.