JornalDentistry em 2023-6-01

ARTIGOS

Sobreviventes de cancro que parem de fumar tem menos 36% de risco cardiovascular

Os doentes oncológicos que continuam a fumar após o diagnóstico têm um risco quase duplicado de ataque cardíaco, acidente vascular cerebral ou morte devido a doenças cardiovasculares em comparação com os não fumadores.

São as conclusões de  uma investigação publicada no Dia Mundial Sem Tabaco no European Heart Journal.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, havia mais de 50,5 milhões de sobreviventes de cancro em todo o mundo em 2020.

O autor do estudo, Dr. Hyeok-Hee Lee, da Faculdade de Medicina da Universidade Yonsei, Seul, Coreia, disse: "Um diagnóstico de cancro é um evento de vida extremamente stressante, que muitas vezes leva a mudanças significativas no estilo de vida de uma pessoa. O tabagismo, em particular, é um comportamento relacionado à saúde que pode ser fortemente influenciado pelo sofrimento mental. No entanto, pouco se sabia sobre a relação entre as mudanças nos hábitos tabágicos após um diagnóstico de cancro e o risco de doenças cardiovasculares – a principal causa de morte não relacionada com o cancro entre os sobreviventes da patologia.”

Os pesquisadores analisaram dados de um banco de dados nacional coreano de saúde. O estudo incluiu 309.095 sobreviventes de cancro que nunca tinham tido um enfarte do miocárdio ou acidente vascular cerebral. A idade mediana era de 59 anos e 52% eram mulheres.

Os participantes realizaram exames de saúde antes e depois do diagnóstico de cancro, durante os quais o tabagismo foi avaliado por meio de um questionário auto-relatado. Os pacientes foram divididos em quatro grupos com base em sua mudança nos hábitos tabágicos após receberem um diagnóstico de cancror: (1) não fumadores sustentados, (2) desistentes, (3) iniciados/recidentes e (4) fumadores contínuos.

Dos 309.095 sobreviventes de cancro, 250.102 (80,9%) continuaram a não fumar, 31.121 (10,1%) pararam de fumar, 4.777 (1,5%) iniciaram ou recomeçaram a fumar e 23.095 (7,5%) continuaram a fumar após serem diagnosticados com cancro. A proporção de iniciados, reincidentes e fumadores continuados combinados foi mais elevada nos sobreviventes de cancro do trato urinário e mais baixa entre os sobreviventes de cancro da mama.

Os pesquisadores avaliaram o risco de eventos cardiovasculares (infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral ou morte devido a doença cardiovascular) para cada grupo durante uma media de 5,5 anos. As análises foram ajustadas para características que poderiam influenciar a associação entre tabagismo e eventos cardiovasculares, incluindo idade, sexo, renda familiar, área residencial, álcool, atividade física, índice de massa corporal, pressão arterial, glicemia, nível de colesterol, número de outras condições médicas, medicamentos, tipo de câncer e tratamentos anticancerígenos.

Em comparação com o não tabagismo sustentado, o risco de eventos cardiovasculares durante o seguimento foi 86%, 51% e 20% maior entre fumantes contínuos, iniciados, /reincidentes e desistentes, respectivamente. Os resultados foram consistentes para mulheres e homens, e quando o risco de infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e morte cardiovascular foram analisados separadamente.

Os benefícios de parar de fumar foram ainda maiores quando comparados com continuar a fumar. Dos que eram fumadores antes de lhes ser diagnosticado o cancro, 57% deixaram de fumar depois de descobrirem que tinham cancro. A cessação tabágica foi associada a uma redução de 36% no risco de acontecimentos cardiovasculares em comparação com a continuação do tabagismo.

Aproximadamente um em cada cinco doentes que continuaram a fumar reduziu o seu consumo diário de tabaco em pelo menos 50% após receberem o diagnóstico de cancro. Os doentes que continuaram a fumar, mas fumaram menos, depois de saberem que tinham cancro tiveram o mesmo risco de acontecimentos cardiovasculares que os que continuaram a fumar sem redução.

"Alguns indivíduos podem encontrar consolo em reduzir com sucesso o tabagismo sem parar completamente", disse o Dr. Lee. "No entanto, os nossos resultados implicam que fumar menos não deve ser o objetivo final e que os fumadores devem parar completamente para obter os benefícios de abandonar totalmente o hábito."

Dos que não eram fumadores antes do diagnóstico de cancro, 2% começaram ou voltaram a fumar após descobrirem que tinham cancro. O início ou recidiva tabágica foi associado a uma elevação de 51% no risco de doença cardiovascular em comparação com o não tabagismo sustentado.

O Dr. Lee disse: "Embora nosso estudo não forneça evidências conclusivas para as causas subjacentes da iniciação ou recaída do tabagismo, alguns sobreviventes de cancro podem perder a motivação para ter um estilo de vida saudável após a recuperação, enquanto outros podem recorrer ao cigarro como uma forma de lidar com o stresse do seu diagnóstico. Estas são apenas especulações, e mais pesquisas são necessárias para determinar fatores associados ao início do tabagismo ou recaída em sobreviventes de cancro."

E concluiu: “Os nossos resultados reforçam as evidências existentes sobre os conhecidos riscos cardiovasculares do tabagismo e enfatizam os benefícios da cessação tabágica, mesmo para sobreviventes de cancro. Além disso, a descoberta de que mais de 40% dos pacientes que fumavam antes do diagnóstico de cancro continuaram a fumar depois, destaca a necessidade de esforços mais robustos para promover a cessação do tabagismo entre os sobreviventes de cancro, que já têm um risco elevado de doença cardiovascular".

 

Fonte:  European Society of Cardiology

 

 

Recomendado pelos leitores

Novo método para testar o cancro oral
ARTIGOS

Novo método para testar o cancro oral

LER MAIS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca
ARTIGOS

Microbioma oral e cancro: um olhar mais atento sobre as intrincadas interações do mundo oculto da boca

LER MAIS

Os higienistas orais como peça fundamental na prevenção da saúde oral
ARTIGOS

Os higienistas orais como peça fundamental na prevenção da saúde oral

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.