JornalDentistry em 2023-8-18

ARTIGOS

Um simples bochecho oral pode detectar risco precoce de doença cardíaca

E se pudéssemos identificar os primeiros sinais de alerta de doenças cardiovasculares a partir de uma simples amostra de saliva?

 

Os cientistas acham que encontraram uma maneira de fazer isso. A inflamação da gengiva leva à periodontite, que está ligada a doenças cardiovasculares.

A equipe usou um simples bochecho oral para verificar se os níveis de glóbulos brancos – um indicador de inflamação da gengiva – na saliva de adultos saudáveis poderiam estar ligados a sinais de alerta para doenças cardiovasculares. Descobriram que altos níveis se correlacionavam com dilatação mediada por fluxo comprometido, um indicador precoce de má saúde arterial.

"Mesmo em jovens adultos saudáveis, baixos níveis de carga inflamatória oral podem ter um impacto na saúde cardiovascular - uma das principais causas de morte na América do Norte", disse o Dr. Trevor King, da Mount Royal University, autor correspondente do estudo publicado no  Frontiers in Oral Health.

Cuidados com os dentes para a saúde do coração

A periodontite é uma infecção comum das gengivas que já foi associada ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares: os cientistas suspeitam que fatores inflamatórios possam entrar na corrente sanguínea através das gengivas e danificar o sistema vascular. King e seus colegas começaram a estudar jovens atualmente saudáveis sem problemas periodontais diagnosticados para determinar se níveis mais baixos de inflamação oral podem ser clinicamente relevantes para a saúde cardiovascular.

"Estamos a começar a ver mais relações entre a saúde oral e o risco de doenças cardiovasculares", disse Ker-Yung Hong, primeiro autor do estudo, da University of Western Ontario. “Se estamos a ver que a saúde oral pode ter um impacto no risco de desenvolver doenças cardiovasculares mesmo em indivíduos jovens e saudáveis, essa abordagem holística pode ser implementada mais cedo”.

A equipe escolheu a velocidade da onda de pulso, que pode medir a rigidez das artérias, e a dilatação mediada pelo fluxo, uma medida de quão bem as artérias podem se dilatar para permitir maior fluxo sanguíneo, como principais indicadores de risco cardiovascular. Estes medem diretamente a saúde arterial: artérias rígidas e com mau funcionamento aumentam o risco de doença cardiovascular dos pacientes.

Os cientistas recrutaram 28 não fumantes entre 18 e 30 anos, sem comorbidades ou medicamentos que pudessem afetar o risco cardiovascular e sem histórico relatado de doença periodontal.  Foram solicitados a jejuar por seis horas, exceto para beber água, antes de visitar o laboratório.

No laboratório, os participantes bochecharam a boca com água antes de enxaguar a boca com soro fisiológico, que foi coletado para análise. Os participantes então deitaram-se por 10 minutos para um eletrocardiograma e permaneceram deitados por mais 10 minutos para que os cientistas pudessem medir a pressão sanguínea, a dilatação mediada pelo fluxo e a velocidade da onda de pulso.

"O teste de enxaguatório oral pode ser usado no check-up anual no médico de família ou no médico dentista", disse o Dr. Michael Glogauer, da Universidade de Toronto, co-autor do estudo. "É fácil de implementar como uma ferramenta de medição de inflamação oral em qualquer clínica."

 

O  foco é o coração

Os cientistas descobriram que os glóbulos brancos elevados na saliva tinham uma relação significativa com a má dilatação mediada pelo fluxo, sugerindo que essas pessoas podem estar em risco elevado de doença cardiovascular. No entanto, não houve relação entre os glóbulos brancos e a velocidade da onda de pulso, portanto, impactos de longo prazo na saúde das artérias ainda não haviam ocorrido.

Os cientistas levantaram a hipótese de que a inflamação da boca, vazando para o sistema vascular, afeta a capacidade das artérias de produzir o óxido nítrico que lhes permite responder às mudanças no fluxo sanguíneo. Níveis mais altos de glóbulos brancos podem ter um impacto maior na disfunção vascular; os níveis encontrados nos participantes geralmente não são considerados clinicamente significativos.

“A higiene oral ideal é sempre recomendada, além de visitas regulares ao médico dentista, especialmente à luz dessas evidências”, disse King. "Mas este estudo foi um estudo piloto. Esperamos aumentar a população do estudo e explorar esses resultados. Também esperamos incluir mais indivíduos com gengivite e periodontite mais avançada para entender mais profundamente o impacto de diferentes níveis de inflamação gengival nas doenças cardiovasculares medidas."

 

 

Fonte:  MedicalXpress

 

Recomendado pelos leitores

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional
ARTIGOS

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional

LER MAIS

As bactérias orais são importantes para a  saúde – quatro doenças ligadas ao  microbioma oral
ARTIGOS

As bactérias orais são importantes para a saúde – quatro doenças ligadas ao microbioma oral

LER MAIS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral
ARTIGOS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral

LER MAIS

Translate:

OJD 117 MAIO 2024

OJD 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.