O JornalDentistry em 2019-9-28

ARTIGOS

Uma nova descoberta pode vir a permitir que os médicos dentistas regenerem as raízes dos dentes

ara descobrir como o corpo muda com o tempo, os pesquisadores procuram cada vez mais entender a epigenética, o estudo das mudanças nos organismos causadas pela modificação da expressão génica, em vez da alteração do próprio código genético. Esse esforço científico também se estende aos dentes.

Yang Chai, reitor associado de pesquisa da Faculdade de Medicina Dentária Herman Ostrow da USC, relatou num artigo recente como ele e seus colegas descobriram que a regulação epigenética pode controlar o desenvolvimento e a padronização das raízes dos dentes. 

"Este é um aspeto que não envolve mudança na sequência do DNA, mas é basicamente através do controle onde disponibiliza ou não os genes para transcrição, o que pode determinar o padrão", explicou.

Uma proteína chamada Ezh2 ajuda os ossos da face a se desenvolverem, mas não se sabia como isso afeta o desenvolvimento da raiz do dente, escreveram os autores. Então, a equipe analisou o que acontece quando o Ezh2 não está presente nos dentes molares em desenvolvimento nos ratos. Descobriram que Ezh2 e outra proteína chamada Arid1a devem estar em equilíbrio para estabelecer o padrão radicular dos dentes e a integração adequada das raízes com os ossos da mandíbula. 

O objetivo: um dia para regenerar os dentes tem que primeiro regenere as raízes 

Chai considera que o novo trabalho é motivador: "Sinto-me animado com isso porque, através da evolução humana, houve mudanças na nossa dieta e ambiente que podem influenciar o nosso epigenoma - a maneira como nossos genes são regulados - e pode ver-se claramente a diferença entre a formação radicular da nossa dentição e a dos Neandertais ".

Os molares Neandertais têm troncos de raiz mais longos do que os vistos em humanos anatomicamente modernos e mostram divisão tardia das raízes, o que pode ser devido ao efeito da dieta e do exercício sobre as proteínas que ativam e desativam os genes. 

O equilíbrio dos reguladores também tem uma mão na doença e no bem-estar. Em diferentes tipos de cancro, a pesquisa mostrou que o equilíbrio de dois reguladores epigenéticos opostos é bastante importante. Nocautear um regulador pode criar cancro, disse Chai, mas modular o regulador oposto pode impedir o cancro. 

"Esses reguladores epigenéticos, que não estão a alterar as sequências de DNA, são importantes em si mesmos, mas o seu nível de atividade também é importante", afirmou. "Basicamente, não se pode ter muito ou pouco - se a balança estiver fora de controle, terá problemas ou doenças no desenvolvimento". 

O objetivo final da pesquisa de Chai sobre a regulação do desenvolvimento dentário é regenerar os dentes - mas gerar um dente inteiro é muito desafiador, porque leva muito tempo para a natureza construir um dente, do desenvolvimento à erupção, explicou Chai. Então, ele procura encontrar maneiras de regenerar uma raiz molar e colocar uma coroa por cima.

"Seria o melhor dos dois mundos: uma integração natural da raiz com o maxilar com o ligamento periodontal no lugar e uma redução na quantidade de tempo que precisamos usando apenas uma coroa para restaurar a função".

 

Fonte: University of Southern California / Medical XPress

Autor: Katharine Gammon, University of Southern California

Artigo MedicalXPress:     "This new discovery could allow dentists to regenerate the roots of teeth"

Recomendado pelos leitores

Factos sobre o cancro oral  e da  faringe
ARTIGOS

Factos sobre o cancro oral e da faringe

LER MAIS

Novo exame de sangue capaz de detetar vários tipos de cancro
ARTIGOS

Novo exame de sangue capaz de detetar vários tipos de cancro

LER MAIS

Na Saúde Oral, demasiada informação  traz desinformação
ARTIGOS

Na Saúde Oral, demasiada informação traz desinformação

LER MAIS

Translate:

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.