O JornalDentistry em 2019-3-12

EDITORIAL

Os diferentes contornos das Fake News na saúde

Ainda na sequência do editorial do mês passado e de como os pacientes que nos procuram buscam cada vez mais informação através das redes sociais, blogues, sites, etc, tenho agora que acrescentar – documentários.

Célia Coutinho Alves, DDS, PhD, médica dentista doutorada em periodontologia e diretora do "O JornalDentistry"

É verdade que a Netflix está em grande na produção, divulgação
e criação de entretenimento. Eles já aprenderam a “mexer” connosco e
quais os temas e formas de chegar até nós eficazmente. Não chega só chegar,
há que envolver, para prender e fazer mudar comportamentos para
influenciar.
Este poder pode ser usado para o bem ou para o mal, como em tudo na
vida. Tudo depende de que comportamentos queremos mudar. Quando o
comportamento está errado baseado no desconhecimento, porque interfere
com a liberdade do outro, porque promove violência, atenta à tolerância
e ao respeito duma sociedade livre e justa, esse comportamento
pode fazer sentido que se mude, se promova a reflexão para a mudança.
Já se o comportamento que se tenta influenciar é o baseado em “fake
news” que pelo poder de divulgação destes canais de entretenimento
generalizados rapidamente se tornam “virais”, rapidamente nos deparamos
com uma bola de neve difícil de travar.
Refiro-me a um documentário polémico disponível na Netflix intitulado
“Root Cause” que aparece abusiva e irresponsavelmente associando a
ideia de que os tratamento endodônticos podem estar relacionados diretamente
com o aparecimento de cancro noutros órgãos do organismo. Quem
está por dentro, como nós profissionais na área da medicina dentária rapidamente
percebe o lobby da indústria que está por trás desta informação
retorcida para que na cabeça de cada paciente se forme a ideia errada que mais vale um implante de cerâmica que um dente seu ainda que desvitalizado...
O problema é que o alarmismo da opinião pública é muito fácil de
criar, sobretudo quando o que está em causa é a relação com a patologia
do século XXI, com o peso da mortalidade que o cancro tem associado.
O que está em causa é mais uma vez o lobby empresarial a sobrepor-se
à ciência com o risco de influenciar diretamente a saúde pública a curto/
médio prazo. Já a história nos foi mostrando outros exemplos, como o da
vacinação, e as consequências nefastas para a saúde pública de decisões
radicais e não fundamentadas que têm posto em risco, inclusive vidas.
Parece-me imperativo que cada um de nós com voz dentro da medicina
dentária portuguesa clarifiquemos, com os meios que estão ao nosso
alcance, desde já, esta correlação errada entre dentes desvitalizados e
cancro. Para que não sejamos absorvidos pelo peso duma opinião pública
mal esclarecida que venha à luz duma escandalosa desinformação exigir
tratamento extracionistas sob a capa duma medicina dentária biológica.
Esta é a nossa obrigação ética enquanto defensores dos melhores tratamentos
para os nossos pacientes.

Recomendado pelos leitores

Como usar as redes sociais para potenciar uma clínica dentária
EDITORIAL

Como usar as redes sociais para potenciar uma clínica dentária

LER MAIS

Translate:

OJD 60 MARÇO 2019

OJD 60 MARÇO 2019

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.