O JornalDentistry em 2021-3-19

NOTÍCIAS

Certos elixires orais poderão interromper a transmissão do vírus COVID-19

Pesquisadores da Rutgers School ó Dental Medicine encontraram evidências de que dois tipos de elixires orais interrompem o vírus COVID-19 em condições de laboratório, impedindo-o de se replicar numa célula humana.

 

O estudo, publicado na revista Pathogens, descobriu que o Listerine e o elixir oral Clorexidina interromperam o vírus em segundos após ser diluído em concentrações que imitariam o uso real. Mais estudos são necessários para testar a eficácia na vida real em humanos. 

O estudo foi conduzido em laboratório usando concentrações de elixires orais e o tempo que levaria para entrar em contacto com os tecidos para replicar as condições encontradas na boca, disse Daniel H. Fine, autor sénior do artigo e presidente do Departamento de Biologia Oral da escola. 

O estudo descobriu que dois outros colutórios mostraram-se promissores no potencial de fornecer alguma proteção na prevenção da transmissão viral: Betadine, que contém iodo povidona, e Peroxal, que contém peróxido de hidrogénio. No entanto, apenas Listerine e Clorexidina interromperam o vírus com pouco impacto nas células da pele dentro da boca que fornecem uma barreira protetora contra o vírus.

"Tanto o iodo Povidona quanto o Peroxal causaram morte significativa das células da pele nos nossos estudos, enquanto tanto a Listerina quanto a Clorexidina tiveram morte mínima das células da pele em concentrações que simulavam o que seria encontrado no uso diário", disse Fine. 

A equipe estudou a eficácia do potencial de bochechos para prevenir a transmissão viral para entender melhor como os os prestadores de serviços dentários podem ser protegidos dos aerossóis exalados pelos pacientes. "Como médicos dentistas, estamos bem na cara do paciente. Queríamos saber se há algo que pode reduzir a carga viral", disse a coautora Eileen Hoskin, professora assistente da Rutgers School of Dental Medicine. 

Fine alerta o público contra o uso de elixires orais como forma de retardar a disseminação até que seja comprovado em ensaios clínicos em humanos. 

"O objetivo final seria determinar se o uso de elixires orais duas ou três vezes ao dia com um agente antissético com atividade antiviral ativa teria o potencial de reduzir a capacidade de transmitir a doença. Mas isso precisa ser investigado em situação real ''. Pesquisas anteriores mostraram que vários tipos de antisséticos orais podem interromper o novo coronavírus e prevenir temporariamente a transmissão, mas este foi um dos primeiros estudos que examinou as concentrações de elixires orais antissético, o tempo de contacto e as propriedades de eliminação de células da pele que simulavam as condições orais. O estudo foi conduzido por uma equipe de cientistas da Rutgers School of Dental Medicine  e  virologistas  do Public Health Research Institute

Segundo Fine, uma vez que o vírus SARS CoV-2 responsável pelo COVID-19 entra principalmente pela cavidade oral e nasal, os biólogos orais devem ser incluídos nesses estudos porque têm um conhecimento profundo das doenças infecciosas orais. 

 

Fonte: MedicalXPress/Rutgers School of Dental Medicine

Artigo original

 

 

 

Recomendado pelos leitores

Novo medicamento para regenerar dentes perdidos
NOTÍCIAS

Novo medicamento para regenerar dentes perdidos

LER MAIS

Cientistas encontram evidências de que o SARS-CoV-2 infeta as células da boca.
NOTÍCIAS

Cientistas encontram evidências de que o SARS-CoV-2 infeta as células da boca.

LER MAIS

Positividade de SARS-CoV-2 em pacientes dentários assintomáticos
NOTÍCIAS

Positividade de SARS-CoV-2 em pacientes dentários assintomáticos

LER MAIS

Translate:

OJD 83 ABRIL 2021

OJD 83 ABRIL 2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.