O JornalDentistry em 2021-3-13

NOTÍCIAS

Estudo das variantes do coronavírus prevê a evolução do vírus para escapar das atuais vacinas

Um novo estudo sugere que as vacinas atuais e as terapias com anticorpos monoclonais fornecem menos atividade neutralizante contra as variantes do SARS-CoV-2 no Reino Unido e na África do Sul.

As novas variantes aumentam o espetro de que as reinfecções  possam ser mais prováveis.  

As previsões do estudo  estão agora a ser confirmadas com os primeiros resultados relatados da vacina Novavax, disse o principal autor do estudo, David Ho, MD.

A empresa relatou a 28 de janeiro que a vacina foi quase 90% eficaz no ensaio realizados pela empresa no Reino Unido, mas apenas 49,4% foi eficaz no seu ensaio na África do Sul, onde a maioria dos casos de COVID-19 são causados pela variante B.1.351. 

“O nosso estudo e os novos dados de testes clínicos mostram que o vírus está a viajar numa direção que está a fazer com que escape das nossas vacinas e terapias atuais que são direcionadas contra o pico viral", disse Ho, diretor do Aaron Diamond AIDS Research Center e do Clyde'56 e Helen Wu Professor of Medicine na Columbia University Vagelos College of Physicians and Surgeons. 

“Se a disseminação desenfreada do vírus continuar e mais mutações críticas se acumularem, então podemos ser condenados a perseguir o SARS-CoV-2 em evolução continuamente, como temos feito há muito tempo com o vírus da gripe”, disse Ho. “Tais considerações exigem que temos que parar a transmissão do vírus o mais rápido possível, redobrando as medidas de mitigação e acelerando o lançamento de vacinas”.

Após a vacinação, o sistema imunológico responde e produz anticorpos que podem neutralizar o vírus.

Ho e sua equipe descobriram que os anticorpos em amostras de sangue colhidas em pessoas inoculadas com a vacina Moderna ou Pfizer foram menos eficazes na neutralização das duas variantes, B.1.1.7, que surgiu em setembro passado em Inglaterra, e B.1.351, que emergiu na África do Sul no final de 2020. Contra a variante do Reino Unido, a neutralização caiu cerca de 2 vezes, mas contra a variante da África do Sul, a neutralização caiu de 6,5 a 8,5 vezes.

"É improvável que a perda de aproximadamente 2 vezes da atividade neutralizante contra a variante do Reino Unido tenha um impacto adverso devido ao grande 'colchão' da atividade residual do anticorpo neutralizante", diz Ho, "e vemos isso refletido nos resultados da Novavax onde o a vacina foi 85,6% eficaz contra a variante do Reino Unido."

Os dados do estudo de Ho sobre a perda de atividade neutralizante contra a variante da África do Sul são mais preocupantes.

"A queda na atividade neutralizante contra a variante da África do Sul é apreciável e agora estamos a ver, com base nos resultados da Novavax, que isso está a causar uma redução na eficácia protetora", disse Ho.

O novo estudo não examinou a variante mais recente encontrada no Brasil (B.1.1.28), mas dadas as mutações de pico semelhantes entre as variantes do Brasil e da África do Sul, Ho diz que a variante do Brasil deve se comportar-se de forma semelhante à variante da África do Sul.

"Temos que impedir a replicação do vírus e isso significa vacinar mais rapidamente e seguir as nossas medidas de mitigação, como uso de mascaras e distanciamento social. Parar a disseminação do vírus irá interromper o desenvolvimento de novas mutações", disse Ho. 

O estudo também descobriu que certos anticorpos monoclonais usados atualmente para tratar pacientes com COVID podem não funcionar contra a variante sul-africana. E com base nos resultados com plasma de pacientes COVID que foram infetados no início da pandemia, a variante B.1.351 da África do Sul tem o potencial de causar reinfecção. 

Novo estudo contém uma análise abrangente de variantes 

O estudo conduziu uma extensa análise de mutações nas duas variantes do SARS-CoV-2 em comparação com outros estudos recentes, que relataram descobertas semelhantes.

O estudo examinou todas as mutações na proteína spike das duas variantes. (As vacinas e os tratamentos com anticorpos monoclonais funcionam reconhecendo a proteína spike SARS-CoV-2.) 

Os pesquisadores criaram os pseudovírus SARS-CoV-2 (vírus que produzem a proteína spike do coronavírus, mas não podem causar infeção) com as oito mutações encontradas na variante do Reino Unido e as nove mutações encontradas na variante sul-africana. 

Mediram então a sensibilidade desses pseudovírus aos anticorpos monoclonais desenvolvidos para tratar pacientes COVID, soro convalescente de pacientes que foram infetados no início da pandemia e soro de pacientes que foram vacinados com a vacina Moderna ou Pfizer. 

Implicações para tratamentos de anticorpos monoclonais

O estudo mediu a atividade neutralizante de 18 anticorpos monoclonais diferentes - incluindo os anticorpos em dois medicamentos autorizados para uso nos Estados Unidos.

Contra a variante do Reino Unido, a maioria dos anticorpos ainda era potente, embora a atividade neutralizante de dois anticorpos em desenvolvimento fosse modestamente prejudicada.

Contra a variante da África do Sul, no entanto, a atividade neutralizante de quatro anticorpos foi completa ou marcadamente abolida. Esses anticorpos incluem bamlanivimabe (LY-CoV555, aprovado para uso nos Estados Unidos), que foi completamente inativo contra a variante da África do Sul, e casirivimabe, um dos dois anticorpos num coquetel de anticorpos aprovado (REGN-COV) que foi 58 vezes menos eficaz na neutralização da variante da África do Sul em comparação com o vírus original. O segundo anticorpo do coquetel, o imdevimab, manteve sua capacidade de neutralização, assim como o coquetel completo.

"As decisões sobre o uso desses tratamentos dependerão fortemente da prevalência local das variantes da África do Sul e do Brasil", diz Ho, "destacando a importância da vigilância genómica viral e do desenvolvimento proativo de terapêuticas de anticorpos de próxima geração."

Implicações de reinfeção

O soro da maioria dos pacientes que se recuperaram do COVID-19 no início da pandemia tinha 11 vezes menos atividade neutralizante contra a variante da África do Sul e 4 vezes menos atividade neutralizante contra a variante do Reino Unido.

"A preocupação aqui é que a reinfecção pode ser mais provável se alguém for confrontado com essas variantes, particularmente a da África do Sul", disse Ho.

Este  estudo foi publicado na Nature em 8 de março de 2021. 
 

Fonte: ScienceDaily / Columbia University Irving Medical Center

Artigo original ScienceDaily

 

Recomendado pelos leitores

Novo medicamento para regenerar dentes perdidos
NOTÍCIAS

Novo medicamento para regenerar dentes perdidos

LER MAIS

Cientistas encontram evidências de que o SARS-CoV-2 infeta as células da boca.
NOTÍCIAS

Cientistas encontram evidências de que o SARS-CoV-2 infeta as células da boca.

LER MAIS

Positividade de SARS-CoV-2 em pacientes dentários assintomáticos
NOTÍCIAS

Positividade de SARS-CoV-2 em pacientes dentários assintomáticos

LER MAIS

Translate:

OJD 83 ABRIL 2021

OJD 83 ABRIL 2021

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.