JornalDentistry em 2023-12-21

NOTÍCIAS

“Não está claro” se os opioides são eficazes no tratamento da dor oncológica

A maior revisão mundial sobre medicamentos opiáceos para a dor oncológica concluiu que não é claro se alguns medicamentos opiáceos habitualmente utilizados são melhores do que um placebo e sugere que os medicamentos não opiáceos, incluindo a aspirina, podem ser tão eficazes como os opiáceos.

Os investigadores que examinaram os dados sobre os opiáceos para a dor causada pelo cancro encontraram lacunas surpreendentemente grandes nas evidências sobre os verdadeiros benefícios destes medicamentos para a dor oncológica. O estudo desafia a visão comum de que os opioides são os analgésicos mais poderosos.
O estudo, liderado pela Universidade de Sydney e incluindo a Universidade de Warwick, destaca que não existe uma abordagem de tratamento “tamanho único” para a dor oncológica, instando os profissionais de saúde e os pacientes a avaliarem cuidadosamente as evidências ao decidirem sobre um plano de  tratamento adequado da dor.
Os analgésicos opioides são o tratamento mais comum para o tratamento da dor oncológica. Muitas diretrizes internacionais, incluindo a Organização Mundial da Saúde, recomendam medicamentos opioides para controlar a dor oncológica de fundo (dor constante) e a dor oncológica irruptiva (surtos temporários de dor além da dor de fundo).
No entanto, o estudo descobriu que muito poucos ensaios compararam medicamentos opioides comumente usados com placebo. Isso incluía morfina, oxicodona e metadona.
O estudo não encontrou evidências convincentes de que a morfina fosse melhor ou mais segura do que outros medicamentos opioides para a dor oncológica de base fora dos cuidados de fim de vida.
Isto apesar de a morfina ser amplamente vista como o “tratamento padrão ouro” para o tratamento do cancro pelos médicos e recomendada em muitas directrizes clínicas internacionais para a dor oncológica moderada a grave devido ao seu baixo custo e acessibilidade.
A revisão também descobriu que medicamentos anti-inflamatórios não esteróides (AINEs), incluindo aspirina e diclofenaco, podem ser tão eficazes quanto alguns opioides para a dor oncológica de fundo.
“Pessoas com dor oncológica de fundo podem ter uma experiência de vida melhor se houver menos foco no uso de opioides para reduzir o nível de dor”, diz o co-autor Professor Martin Underwood, da Universidade de Warwick.
“A falta de provas que comparem medicamentos opiáceos com placebo para a dor oncológica reflecte provavelmente os desafios éticos e logísticos associados à realização de tais ensaios. No entanto, estes ensaios são necessários para orientar a tomada de decisões clínicas”, afirma a investigadora principal, Dra. Christina Abdel Shaheed, da Escola de Saúde Pública da Universidade de Sydney, Faculdade de Medicina e Saúde e Saúde Musculoesquelética de Sydney, que é uma iniciativa da Universidade de Sydney, Sydney Local. Distrito Sanitário e Distrito Sanitário Local do Norte de Sydney.
“Na prática, os opioides são indispensáveis para a dor intratável e o sofrimento no final da vida. O que vale a pena destacar é que os não-opioides, especialmente os AINEs, são surpreendentemente eficazes para algumas dores oncológicas e podem evitar os problemas de dependência e diminuição da analgesia com opioides ao longo do tempo”, diz a coautora Professora Jane Ballantyne, da Escola da Universidade de Washington. de Medicina, EUA.
“A esperança é que as descobertas possam ajudar a orientar médicos e pacientes na escolha entre diferentes tratamentos com opioides para a dor oncológica e capacitar os indivíduos a considerar alternativas caso sejam incapazes de tolerar medicamentos opioides ou optem por não tomá-los”, disse o autor sénior, Dr. Mark Sidhom. , do Cancer Therapy Centre, Liverpool Hospital, Austrália.
Os resultados foram publicados no CA: A Cancer Journal for Clinicians.
 

Principais conclusões:
O estudo examinou dados de mais de 150 ensaios clínicos publicados.
• Houve muito poucos ensaios comparando medicamentos opioides com placebo.
• Dos ensaios controlados com placebo, há evidências de qualidade moderada que o tapentadol funciona melhor que o placebo no tratamento da dor causada pelo cancro.
• Os opiáceos normalmente considerados mais fracos (por exemplo, codeína), ou os AINEs como a aspirina, o piroxicam, o cetorolaco, o diclofenac e o medicamento antidepressivo imipramina podem ser tão bons como os opiáceos “poderosos” para a dor oncológica de base, com menos efeitos secundários.
• Para a dor oncológica irruptiva, o fentanilo utilizado como spray nasal, debaixo da língua, entre a gengiva e a bochecha, ou como spray oral, pode ser mais eficaz do que o placebo (embora não seja para uso regular). O fentanil também foi associado a mais efeitos colaterais que o placebo.
• É possível que a morfina e outros opiáceos possam afectar a capacidade do organismo de combater o cancro. É necessária investigação para determinar se existem interações negativas entre os medicamentos opiáceos e os tratamentos anticancerígenos ou o sistema imunitário, para garantir que o tratamento da dor não tem um impacto negativo na capacidade de tratar eficazmente o cancro.
• É necessária mais investigação, especialmente sobre intervenções não medicamentosas para o tratamento da dor oncológica.

 

Fonte: Oral Cancer Foundation (OCF) / www.eurekalert.org

Autor: Peer-reviewed publication, University of Warwick

Artigo original OCF

 

Recomendado pelos leitores

Cientistas extraem segredos genéticos de dentes com 4.000 anos
NOTÍCIAS

Cientistas extraem segredos genéticos de dentes com 4.000 anos

LER MAIS

“Uma boca feliz é um corpo feliz”
NOTÍCIAS

“Uma boca feliz é um corpo feliz”

LER MAIS

OMS — Saúde oral
NOTÍCIAS

OMS — Saúde oral

LER MAIS

Translate:

OJD 115 MARÇO 2024

OJD 115  MARÇO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.