O JornalDentistry em 2020-8-15

NOTÍCIAS

Novo grupo de antibióticos matam as bactérias de outra maneira

Um novo grupo de antibióticos com uma abordagem única para atacar bactérias foi descoberto, tornando-o um candidato clínico promissor na luta contra a resistência antimicrobiana.

 

A corbomicina recém-descoberta e a complestatina, menos conhecida, têm uma forma nunca antes vista de matar bactérias, que é conseguida bloqueando a função da parede celular bacteriana. A descoberta vem de uma família de antibióticos chamados glicopeptídeos, produzidos por bactérias do solo. 

Os pesquisadores também demonstraram em ratos que esses novos antibióticos podem bloquear infeções causadas por Staphylococcus aureus resistente a medicamentos, um grupo de bactérias que pode causar muitas infeções graves. 

As descobertas foram publicadas na revista Nature recentemente. 

"As bactérias têm uma parede ao redor das suas células que lhes dá forma e é uma fonte de força", disse a primeira autora do estudo, Beth Culp, candidata a PhD em bioquímica e ciências biomédicas na McMaster.

“Antibióticos como a penicilina matam bactérias impedindo a construção da parede, mas os antibióticos que encontramos na verdade atuam fazendo o oposto - evitam que a parede seja quebrada. Isso é fundamental para a divisão celular.

"Para que uma célula cresça, ela tem que se dividir e expandir. Se bloquear completamente a quebra da parede, é como se ela estivesse presa numa prisão e não pudesse expandir-se ou crescer."

Olhando para a árvore genealógica de membros conhecidos dos glicopeptídeos, os pesquisadores estudaram os genes daqueles que não possuem mecanismos de resistência conhecidos, com a ideia de que podem ser um antibiótico  que aplica uma maneira diferente para atacar as bactérias.

“A nossa hipótese é que se os genes que criaram esses antibióticos fossem diferentes, talvez a maneira como eles mataram as bactérias também fosse diferente", disse Culp.

O grupo confirmou que a parede bacteriana foi o local de ação desses novos antibióticos usando técnicas de imagem celular em colaboração com Yves Brun e a sua equipe da Université de Montréal.

Culp disse: "Esta abordagem pode ser aplicada a outros antibióticos e ajudar-nos a descobrir novos antibióticos com diferentes mecanismos de ação. Encontramos um antibiótico completamente novo neste estudo, mas desde então, descobrimos alguns outros da mesma família que têm esse mesmo novo mecanismo. "

A equipe é liderada pelo professor Gerry Wright do Centro David Braley para Descoberta de Antibióticos do Instituto Michael G. DeGroote para Pesquisa de Doenças Infecciosas em McMaster.

A pesquisa foi financiada pelos Institutos Canadiano de Pesquisa em Saúde e pelo Fundo de Pesquisa de Ontário.

 

Fonte: Science Daily /McMaster University.

Artigo orginal: https://www.sciencedaily.com/releases/2020/02/200212131523.htm

 

 

Recomendado pelos leitores

“No mês de Novembro, teremos o Straumanngroup Month, que será um mês dedicado à formação e educação!
NOTÍCIAS

“No mês de Novembro, teremos o Straumanngroup Month, que será um mês dedicado à formação e educação!

LER MAIS

Uma em cada oito crianças sofre de pesadelos sobre os seus dentes
NOTÍCIAS

Uma em cada oito crianças sofre de pesadelos sobre os seus dentes

LER MAIS

Translate:

OJD 77 OUTUBRO 2020

OJD 77 OUTUBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.