O JornalDentistry em 2020-8-13

NOTÍCIAS

Scientific Reports publica trabalhos da Egas Moniz

Um grupo da Clinical Research Unit do Centro de Investigação Interdisciplinar Egas Moniz publicou dois estudos na prestigiada revista Scientific Reports onde mostra, pela primeira vez, que a nova classificação de 2018 supera a classificação de 2012 no diagnóstico parcial periodontal e a elevada prevalência de periodontite na região de Almada e Seixal

Este grupo de investigadores da Egas Moniz, Cooperativa de Ensino Superior, CRL, publicaram dois estudos   na prestigiada publicação Scientific Reports, ao descrever a condição periodontal de uma Região Sul da Área  Metropolitana de Lisboa e sobre o nova diagonóstico periodontal.

Um dos estudos teve tem como objetivo mostrar que a nova classificação de 2018 (da Federação Europeia e  da Academia Americana) supera a classificação de 2012 em relação ao diagnóstico e estadio da periodontite com  métodos parciais de diagnóstico. Esta sugestão contribui para o reforço da confiança na nova classificação, mas  também na prática clínica diária pois servirá para reduzir o tempo e esforço com igual eficácia.

“O processo de publicação na revista Scientific Reports decorreu sem problemas e de forma rápida, muito devido   à utilização da nova plataforma de submissão implementada pela editora Nature Research. Esta não foi a primeira vez   que um dos nossos trabalhos de investigação foi publicado nesta revista. Recentemente publicámos os resultados do  Estudo SoPHiAS "Study of Peridontal Health in Almada-Seixal"

(https://www.nature.com/articles/s41598-019-52116-6).

Trata-se do maior estudo epidemiológico sobre doença periodontal que já foi efetuado em Portugal e que revelou   resultados relevantes e com potencial impacto na definição de medidas de Saúde Pública nesta área”, explica explica o   Prof. Doutor José João Mendes, em nome do Grupo de Investigação.

A investigação visou descrever a prevalência e extensão das doenças periodontais entre adultos na região sul da  Área Metropolitana de Lisboa e teve como base 1.064 participantes, 617 mulheres e 447 homens, escolhidos de forma  aleatória de idades compreendidas entre os 18 e os 95 anos, onde foram registados comportamentos sociodemográficos e informações médicas.

Foram realizadas avaliações às condições periodontais com um exame circunferencial à totalidade da cavidade oral dos  pacientes, onde foi aplicada uma análise de regressão logística para apurar fatores de risco hipotéticos para a periodontite.

A prevalência da periodontite foi de 59,9%, com 24,0% e 22,2% dos participantes com periodontite severa e  moderada, respetivamente. O risco de periodontite aumentou significativamente com a idade para os fumadores ativos   e ex-fumadores e para indivíduos com níveis de ensino médio e elementar, respetivamente e com diabetes mellitus.

Posto isto, este estudo confirma um elevado fardo de periodontite na subpopulação alvo.

“Em 2018, foi publicado um consenso mundial, numa articulação da European Federation of Periodontology (EFP)  com a American Academy of Periodontology (AAP). Esta nova classificação reviu pontos não resolvidos da  classificação anterior, mostrando uma capacidade confiável de refletir as características dos pacientes, a evolução da doença  e a perda de dentes”, afirma.

Quando questionado sobre os critérios que estão presentes nesta nova classificação, o Dr. João Botelho explica   que os principais pontos desta nova classificação são a definição, pela primeira vez, de estadios de saúde periodontal, a  decisão de extinguir a utilização de periodontite agressiva em que todos os casos são definidos doravante por   periodontite, uma melhor definição das doenças peri-implantares, entre outras novidades.

“Não obstante, este novo consenso apresenta um grau de complexidade maior, o que poderá dificultar a sua   utilização na prática clínica. Contudo, esta evolução é natural face às descobertas dos últimos anos em Periodontologia    mas pode resultar numa menor apetência para sua aplicação na prática clínica diária. E, no nosso ponto de vista, este é   umverdadeiro desafio”.

“Foi nesta premissa que decidimos investigar se esta nova classificação poderia ser usada para avaliar um menor número  de localizações (de forma parcial) e ter a mesma eficácia de diagnóstico inicial. Para além disto, comparámos estes resultados  com a definição de casos de 2012”.

O Grupo de Investigação garante ainda que esta nova classificação reforça a eficácia clínica de utilizar menos zonas de  sondagem periodontal para chegar a resultados clínicos iguais ou muito parecidos. Por exemplo, esta estratégia pode ser  usada em diagnósticos rápidos pelas equipas clínicas de forma a encaminhar para o Periodontologista.                                                  

Poderá ter também enormes vantagens em estudos epidemiológicos, reduzindo o seu tempo, custo e desconforto do paciente,  e pode contribuir para aumentar o número de estudos de vigilância de periodontite a nível nacional e internacional.

 

Recomendado pelos leitores

“No mês de Novembro, teremos o Straumanngroup Month, que será um mês dedicado à formação e educação!
NOTÍCIAS

“No mês de Novembro, teremos o Straumanngroup Month, que será um mês dedicado à formação e educação!

LER MAIS

Uma em cada oito crianças sofre de pesadelos sobre os seus dentes
NOTÍCIAS

Uma em cada oito crianças sofre de pesadelos sobre os seus dentes

LER MAIS

Translate:

OJD 77 OUTUBRO 2020

OJD 77 OUTUBRO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.