O JornalDentistry em 2019-2-03

ARTIGOS

Cinco tópicos a verificar na pesquisa oncológica em 2019

2018 foi um ano notável para a pesquisa do cancro, com grandes avanços feitos no diagnóstico e tratamento de vários tipos de cancro, bem como avanços importantes para a saúde dos sobreviventes de cancro. O que podemos esperar vir a ver a na pesquisa de cancro em 2019?

Como  cientista de pesquisa oncológica apresento os  cinco top tópicos que vou estar a pesquisar. 

— 1. imunoterapia. Quem vai responder, e quem não responde e por quê? 

A imunoterapia esta a ser aplicada em várias terapias que provaram resultar para vários tipos de cancro, incluindo células  CAR-T e imuno check points inibidores e muitos mais em desenvolvimento tais como terapia de infiltração de tumores terapia de linfócitos (TIL). A TILs limpou com êxito todos os tumores de uma mulher com cancro de mama metastático, avanço de pesquisas que foi um do mais relatado em 2018. 

Mais de 2.500 ensaios foram registados em todo o mundo, mas com cresce o uso da imunoterapia, existem ainda grandes perguntas a serem respondidas. Uma particularmente importante é sobre o uso de drogas para o bloqueio de imuno check points, tais como aqueles cujo o alvo são as PD-1 ou CTLA-4 é “Por quê que alguns pacientes respondem e outros não?” Várias equipes de pesquisa em todo o mundo enfrentam atualmente esta questão, e que é improvável que tenha uma única e clara a resposta, mas espero ver muito mais pesquisa publicada sobre esta matéria em 2019, com esperança que vai começar a beneficiar os pacientes, identificando quem vai e não vai responder a estes medicamentos caros. 

— 2. Testes biópsia líquida. Mais clareza sobre precisamente o que eles fazem e mais provas de que eles fazem isso com precisão. 

A indústria de biópsia líquida explodiu em 2018, talvez surpreendentemente, tendo em conta o mercado deverá valer mais US dólares $ 2 mil milhões por ano até 2022. A promessa é que, eventualmente, deve ser capaz de diagnosticar o cancro com um simples exame de sangue, mais cedo, mais barato e ainda com mais precisão do que temos atualmente e até mesmo usar estes testes para monitorar a resposta ao tratamento do cancro e deteção do reaparecimento do tumor.  Como um cientista de pesquisa sobre o cancro, o número de trabalhos de pesquisa, apresentações em conferências superiores e comunicados de imprensa por dezenas de empresas atualmente a desenvolver essas tecnologias podem ter tornado difícil saber exatamente o que realmente se está a passar. 

Em 2018, dois dos melhores testes de biópsia líquida do mercado viram a sua eficácia questionada por investigadores do Johns Hopkins porque os que os dois testes apresentavam resultados diferentes para as mesmas amostras dos pacientes. Uma reivindicação que foi então desafiada pelos representantes de ambas as empresas. 

Testes de biópsia líquida, sem dúvida, tem um grande potencial mas atualmente, o campo é um pouco confuso e difícil de entender para cientistas, oncologistas e pacientes. A sociedade americana de oncologia clínica (ASCO) emitiu uma declaração em março deste ano, essencialmente, concluindo que para a maioria dos testes de biópsia líquida atualmente não há evidência suficiente para recomendar a sua utilização em diagnóstico ou monitoração do cancro. Esperançosamente, 2019 traz maior clareza sobre como estes testes podem fazer parte do diagnóstico e tratar pessoas com cancro e a ASCO será então capaz de rever a sua posição em conformidade. 

3. Mais foco sobre os efeitos colaterais do tratamento do cancro. 

Como sobrevivente de cancro e como defensor para mais investigação sobre o que acontece com os sobreviventes de cancro “tudo limpo”, 2018 foi um ano notável para a investigação a numerosos e, frequentemente desabilitando efeitos colaterais de sobreviventes de cancro. Há décadas, pesquisa sobre o cancro concentrou-se principalmente em certificar-se qual o número de pessoas que sobrevivem à doença, mas agora com milhões de sobreviventes de cancro no mundo, um novo campo de pesquisa, olhando para o que realmente acontece aos sobreviventes de cancro como resultado dos tratamentos está crescendo a uma velocidade considerável. 

A partir de um estudo que pretende ter encontrado uma solução para a infertilidade masculina após o tratamento de cancro na infância estudos mostram que algumas mulheres com cancro de mama em estágio inicial podem receber menos radioterapia sem comprometer suas hipóteses de sobrevivência, 2018 foi um bom ano para pesquisa de sobrevivência ao cancro. O destaque, na minha opinião, foi o trabalho de cientistas da Universidade de Stanford que podem ter descoberto porque o “cérebro de quimioterapia” acontece, um dos mais comum efeitos colaterais relatados experimentado pelos sobreviventes de cancro. Melhor ainda, os cientistas sugerem que ele pode ser tratado. 

4. O cancro e o microbioma. 

O microbioma tem sido um dos tópicos de que mais se falou em medicina em 2018 e não mostra sinais de abrandar. No meio da agitação previsível de suplementos, dietas da moda e blog posts dando conselhos cientificamente questionáveis, dizendo-lhe como cuidar e nutrir sua própria flora intestinal, muita pesquisa credíveis, baseadas em evidência tem sido publicado mostrando que o microbioma é potencialmente envolvido na esclerose múltipla, doença inflamatória intestinal e até mesmo na doença de Alzheimer. Mas e o cancro? 

Já existem vários estudos publicados mostrando que o microbioma pode influenciar a resposta da quimioterapia e até mesmo, em alguns casos, provocar a produção de produtos de degradação tóxica do fármaco. No início deste mês, o trabalho publicado na revista Nature Communications mostrou como uma estirpe bacteriana particularmente comum no microbioma humano poderia influenciar o sistema imunológico para conduzir a progressão de um tipo de cancro incurável do sangue, denominado mieloma múltiplo. O estudo levantou a possibilidade de que atacar essas bactérias com drogas pudesse deter ou retardar a doença. 

— 5. Organóides, a nova arma secreta na medicina personalizada contra o cancro 

Em Novembro de 2017, eu escrevi sobre como Organóides, minúsculos órgãos cultivadas em laboratório feitos amostras de tecido de pacientes iriam revolucionar o tratamento do cancro por permitir aos pesquisadores testar medicamentos em tumores de pacientes antes de decidir qual se vai dar ao paciente . Várias empresas farmacêuticas e de biotecnologia têm programas de grande escala para desenvolver comercialmente estas tecnologias para a utilização Organóides em triagem de medicamentos para pacientes e permitir a acessibilidade crescente de kits de cultivo de organóides para laboratórios de pesquisa académica e hospitalar permitindo um aumento e maior rapidez nas pesquisas. 

Mas os organóides não são ainda de forma alguma uma maneira perfeita de testar novas drogas . Por exemplo, é fácil e rápido fazer organóides a partir de certos tipos de tumor - como o colorrectal, mas muito difícil para tumores cerebrais. Os organóides cultivados no laboratório também não têm suprimento de sangue, nem estão ligados a outros sistemas do corpo o que podem influenciar a resposta de um paciente a drogas anticancro. Mas os pesquisadores estão a fazer progressos no desenvolvimento de organóides, e a descobrir melhores maneiras de fazer as culturas, com precisão para que reflictam o tumor de que originalmente originalmente lhes deu origem. Espere vê-los desempenhar um papel cada vez maior na concepção de abordagens de medicina personalizadas para pacientes com cancro, além de haver mais envolvimento e mais avanços de cancro baseados em laboratório.

 

Fonte: Oral CancerFoundation / Forbes.com

Autor: Victoria Forster

Artigo OCF: “Five Things To Look Out For In Cancer Research In 2019”

 
 

Recomendado pelos leitores

Novos compósitos antibacterianos podem combater a cárie dentária recorrente
ARTIGOS

Novos compósitos antibacterianos podem combater a cárie dentária recorrente

LER MAIS

A infeção por VPH pode estar por trás do aumento do cancro das cordas vocais entre os jovens não fumadores
ARTIGOS

A infeção por VPH pode estar por trás do aumento do cancro das cordas vocais entre os jovens não fumadores

LER MAIS

Saúde oral deficiente ligada a pressão arterial  alta e a pior controle da pressão arterial
ARTIGOS

Saúde oral deficiente ligada a pressão arterial alta e a pior controle da pressão arterial

LER MAIS

Translate:

OJD 64 JULHO 2019

OJD 64 JULHO 2019

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.