JornalDentistry em 2024-5-21

ARTIGOS

Estudos laboratoriais avançam para a cura do herpes com edição genética

Pesquisadores do Fred Hutch Cancer Center descobriram em estudos pré-clínicos que uma terapia genética experimental para herpes genital e oral removeu 90% ou mais da infeção e suprimiu a quantidade de vírus que pode ser liberada de um indivíduo infetado

O estudo  sugere que a terapia também reduziria a propagação do vírus.
 

"O herpes é muito sorrateiro.Esconde-se entre as células nervosas e, em seguida, desperta e causa bolhas dolorosas na pele", disse Keith Jerome, MD, Ph.D., professor na Divisão de Vacinas e Doenças Infeciosas da Fred Hutch. "O nosso objetivo é curar as pessoas desta infeção, para que não tenham de conviver com a preocupação de surtos ou de a transmitir a outra pessoa."
Publicado em 13 de maio na Nature Communications, Jerome e sua equipe Fred Hutch publicaram um passo encorajador em direção a uma terapia genética para herpes.
A terapia genética experimental consiste em injetar no sangue uma mistura de moléculas de edição genética que procuram onde o vírus do herpes reside no corpo. A mistura inclui vírus modificados em laboratório chamados de vetor – comumente usados em terapias genéticas – além de enzimas que funcionam como tesouras moleculares. Uma vez que o vetor atinge os aglomerados de nervos onde o vírus do herpes está fora, a tesoura molecular corta os genes do vírus do herpes para danificá-los ou remover o vírus completamente.
"Estamos usando uma enzima meganuclease que corta em dois lugares diferentes no DNA do vírus do herpes", disse a primeira autora Martine Aubert, Ph.D., cientista principal da equipe Fred Hutch. "Esses cortes prejudicam tanto o vírus que ele não consegue se reparar. Então, os próprios sistemas de reparação do corpo reconhecem o DNA danificado como estranho e se livram dele."
Usando modelos de ratos para a  infeção, a terapia experimental eliminou 90% do vírus herpes simplex 1 (HSV-1) após a infeção facial, também conhecida como herpes oral, e 97% do herpes HSV-1 após a infeção genital. Demorou cerca de um mês para os ratos tratados mostrarem essas reduções, e a redução do vírus pareceu ficar mais completa ao longo do tempo.
Além disso, os pesquisadores descobriram que a terapia génica HSV-1 teve uma redução significativa na frequência e quantidade de disseminação viral.
"Se falarmos com pessoas que vivem com herpes, muitos estão preocupados se a sua infeção vai transmitir a outros", disse Jerónimo. "Nosso novo estudo mostra que podemos reduzir tanto a quantidade de vírus dentro do corpo quanto a quantidade de vírus que é derramada."

A equipa de Fred Hutch também simplificou o seu tratamento de edição genética, tornando-o mais seguro e fácil de fazer. Num estudo de 2020,  usaram três vetores e duas meganucleases diferentes. O estudo mais recente usa apenas um vetor e uma meganuclease capazes de cortar o DNA do vírus em dois lugares.
"Nossa abordagem simplificada de edição genética é eficaz na eliminação do vírus do herpes e tem menos efeitos colaterais no fígado e nos nervos", disse Jerônimo. "Isso sugere que a terapia será mais segura para as pessoas e mais fácil de fazer, já que tem menos ingredientes."
Embora os cientistas de Fred Hutch estejam encorajados pelo quão bem a terapia genética funciona em modelos animais e estejam ansiosos para traduzir as descobertas em tratamentos para pessoas,   são também cuidadosos sobre as etapas necessárias para se preparar para os ensaios clínicos. Também observaram que, embora o estudo atual tenha examinado infeções por HSV-1,  estão a trabalhar na adaptação da tecnologia de edição genética para atacar infeções por HSV-2.
"Estamos colaborando com vários parceiros à medida que nos aproximamos dos ensaios clínicos, então  alinhamo-nos com os reguladores federais para garantir a segurança e a eficácia da terapia genética", disse Jerome .
O vírus do herpes simplex (HSV) é uma infeção comum que dura toda a vida depois  das pessoas serem infetadas. As terapias atuais só podem suprimir, mas não eliminar completamente os sintomas, que incluem bolhas dolorosas. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, estima-se que 3,7 bilhões de pessoas com menos de 50 anos (67%) tenham HSV-1, que causa herpes oral. Estima-se que 491 milhões de pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 49 anos (13%) em todo o mundo tenham HSV-2, que causa herpes genital.
O herpes pode criar outros danos à saúde. O HSV-2 aumenta o risco de adquirir a infeção pelo HIV. Outros estudos relacionaram a demência com o HSV-1.

 

Fonte: MedicalXpress / Fred Hutchinson Cancer Center

Recomendado pelos leitores

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional
ARTIGOS

Relações laborais na Medicina Dentária: Desafios Legais e Proteção do Profissional

LER MAIS

As bactérias orais são importantes para a  saúde – quatro doenças ligadas ao  microbioma oral
ARTIGOS

As bactérias orais são importantes para a saúde – quatro doenças ligadas ao microbioma oral

LER MAIS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral
ARTIGOS

Pesquisa encontra conexão entre fatores de risco para periodontite e saúde geral

LER MAIS

Translate:

OJD 117 MAIO 2024

OJD 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.