O JonalDentistry em 2020-2-19

ARTIGOS

Infodemia, o novo vírus letal que afeta toda a economia

O coronavírus ou Covid-19 tornou-se o primeiro infodémico de impacto catastrófico. As redes sociais tornaram-se propagadores de informação e desinformação em todo o mundo, propagando-se a velocidades sem precedentes, alimentando pânico, racismo ... e prejudicando seriamente toda a economia.

— “Não há motivos para preocupação", disse Maria Luisa Carcedo, ministra da Saúde de Espanha. Recomendamos que se avance com o Mobile World Congress em Barcelona.

Mas não, pela primeira vez  ignoramos “Nosso Médico". O pânico gerado pela quantidade de desinformação que circulava pelas redes sociais sobre a evolução do Covid-19 levou ao cancelamento do Mobile World Congress, o evento que proporcionaria ao turismo MICE da cidade de Barcelona uma receita de cerca de 477 milhões de euros.

 

Nem o primeiro nem o último

Este não foi o primeiro nem será o último surto viral que enfrentaremos. O futuro também  certamente nos trará outros eventos, como ataques terroristas, infortúnios naturais e outros problemas, que se transformarão em crescente apetite por sensacionalismo e que fornecerão mais ckickbaits a alguns meios de comunicação, ou mesmo a estratégias políticas que se irão aproveitar dessas circunstâncias em  benefício próprio. Algo que sempre existiu e infelizmente sempre  existirá.

De fato, após o cancelamento do Mobile, mais de 100 grandes eventos futuros, mundialmente, começaram a ficar parados. E não apenas eventos, a Suíça, por exemplo, acaba de paralisar a instalação de antenas 5G  em parte devido à pressão da população.

 

Redes Sociais, a ignição da infodemia

O Facebook está a  trabalhar nos últimos dias a contra  relógio para tentar eliminar postagens de conselhos de saúde duvidosos.                                                                        Tencent, o proprietário do WeChat, usou a sua plataforma de verificação para tentar impedir os rumores falsos sobre o coronavírus que circulam na sua plataforma, mas a grande avalanche de conteúdo e desinformação superou todos os esforços coordenados para eliminar todo esse “lixo”.

Memes racistas e  difamações  proliferaram no TikTok e no Facebook. Alguns adolescentes até simularam um diagnóstico de coronavírus para ganhar mais influência nas redes sociais.

Essa toxicidade on-line também foi extrapolada para a interações pessoais. Os asiáticos estão a enfrentar abertamente  racismo e  assédio, os bairros e restaurantes chineses viram os seus negócios serem seriamente prejudicados. Recentemente ouvi na rádio a história do porta-voz da comunidade de wuhanenses baseada em Manchester no Reino unido,uma cidade gémea de Wuham, sobre um pequeno grupo de estudantes que interpelou a sua filha de 10 anos com mensagens e recriminações ameaçadoras, para que ela não voltasse a sair de casa.

 

E agora o que fazer?

Esta situação deve ser um ponto de reflexão para repensar o  futuro, e  as  estratégias para combater a desinformação. Vimos como as grandes plataformas sociais sucumbiram à desinformação e não foram capazes de conter uma histeria global baseada no medo emocional e irracional.

Vamos aprender com os erros e estar preparado para uma segunda, terceira e quarta vaga. Devemos trabalhar num plano de ação para enfrentar uma crise de desinformação, que terá que ser baseada no conhecimento e nas informações corretas. No final, é uma questão de combater o medo do desconhecido e isso só pode ser alcançado com uma boa explicação dos fatos.

E reflita sobre o que está a ser mais letal, o coronavírus ou o pânico global.

 

 Autor: Rafael de Jorge, Marketing e Inovação em Turismo, dirige, coordena e leciona diversos mestrados e pós-graduações universitárias. Palestrante.

Imagens:  Unsplash

Recomendado pelos leitores

Pacientes prescritos com opioides após extração dentária relatam sentir mais dor
ARTIGOS

Pacientes prescritos com opioides após extração dentária relatam sentir mais dor

LER MAIS

Vaping altera o microbioma oral e aumenta o risco de infeção
ARTIGOS

Vaping altera o microbioma oral e aumenta o risco de infeção

LER MAIS

Estudo mostra que elixires orais comummente usado pode tornar a saliva significativamente mais ácida
ARTIGOS

Estudo mostra que elixires orais comummente usado pode tornar a saliva significativamente mais ácida

LER MAIS

Translate:

OJD71 MARÇO 2020

OJD71 MARÇO 2020

VER EDIÇÕES ANTERIORES

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.