JornalDentistry em 2024-4-18

EDITORIAL

Humanidade Dentada

Aprendi, ou tenho vindo a constatar, que cada vez mais são os profissionais que escolhem as empresas e cada vez menos são as empre- sas que recrutam os profissionais.

Célia Coutinho Alves, DDS, PhD, médica dentista doutorada em periodontologia

Pelo menos quando falamos de empre-sas e profissionais com alta diferenciação no mercado. Os profissionais cada vez mais se dividem entre aqueles que estão dispostos a fazer o tra- balho, a buscar informação, a “esgravatar” à procura de novos caminhos para fazer melhor e diferente, e os outros. Os que não estão dispostos a isso. Os que querem um lugar remunerado e ponto. E perguntam constantemente o que é que a empresa pode fazer por eles.
Os que escolhem as empresas, ao contrário do que podíamos pensar, não perguntam o que é a empresa pode fazer por eles, mas o que é que eles podem fazer pela empresa. Escolhem as empresas onde possam fazer a diferença, porque reconhecem valor nos parceiros, nas chefias, nos projetos, na responsabilidade, na autonomia de implementação, nos caminhos do investimento ou inovação. Sabem que lá não vão ceder aos valo- res em que acreditam, não vão deixar de ser eles próprios podendo vir a ser melhores versões de si mesmos, sempre com um sentido de propósito no bem comum.
Dificilmente um bom vendedor vende um produto em que não acredita ou um engenheiro desenvolve uma tecnologia que não se lhe afigure a resolução para o problema com que se depara, seja ele a dobradiça que fecha uma porta, o sistema adesivo para um produto ou a codificação para um gerador de inteligência artificial. Trabalhar, por exemplo, com Elon Musk da Tesla, escolher trabalhar com Elon Musk é arriscar poder mudar a Humanidade para sempre. Poder escolher trabalhar com Sam Altman da OpenAI é arriscar o mesmo. Para o bem e para o mal. E poder impactar positivamente outros é, de todos, o maior propósito.
Por isso penso que os avanços a que a nossa geração a viver em países industrializados tem o privilégio de assistir e participar ainda permanecem inimagináveis. O mundo está exponencialmente mudado a cada ano que passa, e isso torna cada vez mais claro que o que ensinamos agora nas escolas de pouco vai servir no mundo do trabalho. Mas o raciocínio visionário, a capacidade de trabalhar em grupo, a liderança, o pensamento abs- trato e a comunicação serão soft skills transversalmente diferenciadoras.
Os designers e criativos digitais deram lugar a médicos e ortodontistas como profissões de futuro, e isto no espaço de 10 anos. Ou seja, há futuro para os médicos dentistas, e outros profissionais que trabalhem com as mãos, que intervenham outros seres humanos. O futuro está na intervenção minimamente invasiva, guiada por softwares cada vez mais intuitivos e inteligentes, mas feita pela mão humana. Uma mão humana que se quer treinada num profissional esclarecido e eticamente atuante como agente preventivo da doença e restaurador da saúde, ou do seu melhor equilíbrio entre dano e controlo do dano. Eu sei que venho duma especialidade, a periodontologia, que, por si só, tende a salvar dentes, mas não devíamos todos, enquanto médicos dentistas, ser agentes de promoção da saúde e controlo da doença? Não devíamos todos trabalhar para o paciente e pelo paciente e não para o slide, para a fotografia clínica ou, muito menos, para as contas de gestão da empresa que gerimos?
Temo que isto de ser médico dentista, sendo uma maratona, esteja a ser entendido por alguns como uma corrida de 100 metros. E que quando for o paciente a escolher verdadeiramente a “empresa” onde quer depositar a confiança do trabalho a fazer na sua boca, escolha as que estão alinhadas com os seus valores, dentro da inovação e da intervenção minimamente invasiva. E cada vez mais o mercado se alinhará pelos pacientes informados e menos pelos médicos dentistas gestores. Em prol do bem comum. Em prol duma Humanidade dentada.

 

Célia Coutinho Alves, Médica Dentista Especialista em Periodontologia pela OMD, Doutorada em Periodontologia pela Universidade Santiago de Compostela

 

 

Recomendado pelos leitores

Para o bem dos que lidera!
EDITORIAL

Para o bem dos que lidera!

LER MAIS

Translate:

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

O JORNALDENTISTRY 117 MAIO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

+ Notícias

“Day One”

O Mundo de cada um de nós

O tempo certo das respostas

É preciso ser

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.