JornalDentistry em 2024-1-17

EDITORIAL

“Tornar-nos melhores é mais importante do que sermos vistos como os melhores”

Sempre que começamos um novo ano, recomeçamos a intenção de estabelecer novas resoluções. As resoluções podem ser sonhos ou objetivos. O que distingue os dois é a necessidade de pôr trabalho para os alcançar.

Célia Coutinho Alves, DDS, PhD, médica dentista doutorada em periodontologia

Um sonho não deixa de ser aquela esperança teimosa que não nos sai da cabeça e/ou do coração e que, muitas vezes, nos ensina a viver. Depende menos de nós, pelo menos do que fazemos. É uma energia que libertamos para o Universo, à espera que ele ouça e organize as peças e nos apresente já feito, um dia, apenas para o saborear. Mas os objetivos, esses, dão muito trabalho para alcançar. Os objetivos são aqueles gigantes tamanhos que se nos deparam à frente e que nos obrigam a abrir bem os olhos para delinear a estratégia para os agarrar.
Nós subestimamos, muitas vezes, o que conseguimos fazer num ano.                                   E sobrestimamos o que conseguimos fazer num mês. Isto significa que objetivos como perder peso, aprender uma língua nova, escrever um livro, são objetivos facilmente atingíveis num ano e muito pouco razoáveis de alcançar num mês. A regra é sempre dividir o ano em quatro, ou seja, um trimestre, e decidir micro-objetivos a conseguir nesses 3 meses em prol do objetivo anual. E depois dividir os 3 meses em semanas e perceber o que temos de fazer em cada semana para poder atingir o micro-objetivo de cada trimestre. Assim, se o objetivo para este ano for escrever um livro: o primeiro trimestre poderá ser passado a pesquisar e a adquirir/atuali- zar informação sobre o tema; o segundo trimestre poderá ser passado a escrever o primeiro draft; o terceiro trimestre poderá ser passado a corrigir e a rever o primeiro draft para conseguir uma versão mais limpa e publicável; e o último trimestre do ano será gasto com a preparação e edição do livro para a sua publicação final. Em cada trimestre, se o trabalho for planeado, semana a semana, torna-se mais fácil de o organizar e cumprir. A regra do 1,4,3,1, aplicada a cada objetivo a que nos propomos  a cada novo ano, tem vindo a demostrar-se ser uma regra profícua. A cada novo ano (1 ano), dividimos por 4 (4 trimestres), a cada trimestre (3 meses) estabelecemos trabalho crescente em relação ao objetivo, organizando o trabalho semana a semana (1 semana).
E depois há anos diferentes uns dos outros. Nos objetivos, mas também no trabalho que fazemos para os alcançar. Há anos de exposição, de mostrar o trabalho aprendido ou desenvolvido noutros. E anos de aprendizagem. Como a exemplo os músicos e cantores. Há anos de tours e outros de estúdio. Este ano sinto que será para mim um ano de aprendizagem. Preciso que seja. Sei bem que nunca deixamos de o fazer no dia-a-dia, que não estamos parados. Mas sinto que este ano tenho de investir. Sim, porque aprender é sempre um investimento que só dá lucro mais lá para a frente. Aprender está para a profissão como a alimentação e o exercício físico estão para um corpo saudável. São investimentos cujos lucros só se vêem 10 anos mais tarde.
O lema a que me proponho para este 2024 é: “Becoming better is more importante than being seen as the best!”: tornar-nos melhores é mais importante do que sermos vistos como os melhores. A verdade é que, num mundo de redes sociais, em que o importante é ser visto, em que o que não se gravou não existiu, o desafio está em ser melhor porque sim, porque somos capazes, porque essa é a evolução e o desenvolvimento a que cada médico dentista é chamado, a que cada profissional deve estar comprometido.
Este ano comprometo-me a ser melhor dentista. Mais comprometida. Mais eficiente. Mais interventiva na antecipação. Mais ativa na prevenção. Mas também melhor mulher, melhor mãe, melhor filha, melhor docente, melhor amiga. Comprometo-me a ser melhor. Não a melhor. E se o afirmo e escrevo aqui, já não tenho escapatória.  A não ser trabalhar para este objetivo.
Um excelente 2024 cheio de objetivos! Boas leituras!n

 

Célia Coutinho Alves, Médica Dentista Especialista em Periodontologia pela OMD, Doutorada em Periodontologia pela Universidade Santiago de Compostela

 

 

Recomendado pelos leitores

Desempate é sempre analógico
EDITORIAL

Desempate é sempre analógico

LER MAIS

Translate:

OJD 114 FEVEREIRO 2024

OJD 114  FEVEREIRO 2024

VER EDIÇÕES ANTERIORES

+ Notícias

“Day One”

O Mundo de cada um de nós

O tempo certo das respostas

É preciso ser

O nosso website usa cookies para garantir uma melhor experiência de utilização.