O JornalDentistry em 2017-9-13

NOTÍCIAS

Eliminar a hepatite C em Portugal é uma questão de organização e não de financiamento

Estudo da Nova School of Business & Economics identifica um conjunto de iniciativas para passar da visão à ação no que concerne à redução substancial da incidência e prevalância do vírus da hepatite C em Portugal até 2030, conforme o objetivo definido pela Organização Mundial de Saúde

A Nova School of Business & Economics apresentou esta terça-feira as conclusões de um estudo que pretende, em primeiro lugar, contribuir para a implementação de um plano estratégico nacional propondo inciativas concretas para Portugal atingir o objetivo da Organização Mundial de Saúde de eliminar a hepatite C até 2030.

João Marques Gomes, coordenador e um dos autores do estudo “Eliminar a hepatite C em Portugal: da visão à ação”, explica que “de acordo com as conclusões do estudo, a eliminação da hepatite C não é uma questão de financiamento ou de falta dele, é uma questão de organização, se o poder político quiser implementar as nossas propostas pode fazê-lo amanhã”.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), na sua primeira estratégia global para as hepatites virais, de junho de 2016, estabelece o objetivo de reduzir a incidência do vírus da hepatite C em 90% e a mortalidade associada a esse vírus em 65%, até 2030. No mesmo ano, no âmbito do plano europeu de ação contra as heptaites virais da OMS, Portugal comprometeu-se a cumprir esse o objetivo, sendo que já tinha assumido o compromisso de eliminar a hepatite C como problema de saúde pública garantindo o acesso universal ao tratamento.

Este estudo identifica, em primeiro lugar, os principais problemas ao longo da cascata de cuidados do vírus da hepatite C em Portugal, isto é, as lacunas e barreiras existentes em matéria de awareness e prevenção, rastreio e diagnóstico, ligação aos cuidados de saúde, acesso aos cuidados de sáude especializados, acesso ao tratamento, e finalmente, avaliação e monitorização.

Em segundo lugar, o estudo conclui que a grande maioria dos problemas resulta da falta de coordenaçao entre os vários intervenientes da cascata de cuidados, o que leva a que uma proporção significativa dos doentes se perca ao longo desse percurso. De destacar que um doente “perdido” é não só um doente não curado mas também um foco potencial de transmissão da doença.

Identificados os principais problemas ao longo da cascata de cuidados do vírus da hepatite C em Portugal, este estudo apresenta um conjunto de recomendações. Proximidade, simplificação e integração são as palavras-chave, enquanto o rastreio universal, os cuidados de saúde primários e a prestação de cuidados de saúde na comunidade constituem a estrutura que permitirá eliminar a hepatite C como ameaça à saúde pública em Portugal num futuro próximo.

Recomendações-Chave:

1-     Diagnóstico e tratamento na comunidade, para uma proximidade efetiva entre o doente e o sistema de saúde.

2-     Gestor de caso, que permite dar resposta a um conjunto de problemas identificados no atual percurso do doente.

3-     Financiamento e incentivos alinhados, no que diz respeito ao rastreio, diagnóstico e tratamento.

4-     Navegador de saúde, cuja função é acompanhar o doente desde o rastreio até ao primeiro contacto com os cuidados de saúde e ao longo das várias consultas necessárias até ao fim do tratamento.

5-     Rastreio universal, num curto espaço de tempo é uma forma custo-efetiva de determinar a epidemiologia da infeção pelo vírus da hepatite C, de identificar todos os doentes e de consequentemente quebrar a cadeira de transmissão.

A hepatite C é uma doença global, física, mental e social. O papel da sociedade é aumentar as condições de vida das pessoas em situação de exclusão social. Ao deixar que o vírus da hepatite C continue a ser transmitido, que os doentes continuem a ser diagnosticados só em fases mais avançadas da doença, ou que os doentes diagnosticados não sejam tratados, estes custos económicos e sociais continuam a agravar-se.

Para mais informações:

Raquel Cordeiro  —  raquel.cordeiro@wisdom.com.pt

Miguel Braga  —  mihuel.braga@wisdom.com.pt

 

Fonte: Wisdom Consulting

Recomendado pelos leitores

Nasceu a ARTA - Association of Ridge and Tissue Augmentation
NOTÍCIAS

Nasceu a ARTA - Association of Ridge and Tissue Augmentation

LER MAIS

Acordo Luso-Brasileiro determina um minuto para o sono
NOTÍCIAS

Acordo Luso-Brasileiro determina um minuto para o sono

LER MAIS

NSK na próxima edição da Expo-Dentária Portugal
NOTÍCIAS

NSK na próxima edição da Expo-Dentária Portugal

LER MAIS

Translate:

OJD 45 NOVEMBRO 2017

OJD 45 NOVEMBRO 2017

VER EDIÇÕES ANTERIORES